Notícias » Rússia

Após invasão russa na Ucrânia, episódio de ‘Os Simpsons’ viraliza

Na última quinta-feira, 24, a Rússia iniciou ações militares que estão abalando o mundo; desenho animado teria ‘previsto’ o ocorrido; entenda

Penélope Coelho Publicado em 25/02/2022, às 11h40

Cena de 'Os Simpsons' exibida em 1998
Cena de 'Os Simpsons' exibida em 1998 - Divulgação/Fox Broadcasting Company

Após o início da invasão de tropas russas em solo ucraniano, na última quinta-feira, 24, um episódio da série de animação ‘Os Simpsons’ viralizou nas redes sociais.

O capítulo exibido inicialmente em 1998 aborda a tensão que acontece atualmente no leste europeu. Na internet, pessoas comentaram que mais uma vez o desenho animado acertou em uma previsão.

No episódio em questão, o personagem principal, Homer, está trabalhando em uma usina nuclear e participa de um treinamento militar em um submarino, quando sem querer, ejeta o capitão nas águas russas.

No desenho, após o ‘incidente internacional’ Homer tem a revelação de que a União Soviética nunca acabou. Soldados e tanques são vistos nas ruas e a reconstrução do Muro de Berlim está sendo realizada.

De acordo com informações publicadas pelo portal de notícias UOL, um dos produtores da série, Al Jean, falou sobre o assunto no Twitter e lamentou a situação atual entre a Rússia e Ucrânia.

"Fico triste em dizer que essa não era uma previsão difícil de fazer”, escreveu Jean.

Confira o trecho do episódio de ‘Os Simpsons’:


Invasão na Ucrânia

Após semanas de tensão entre a Rússia e a Ucrânia, o presidente russo Vladimir Putin iniciou o que chamou de 'operação militar especial' da Rússia na Ucrânia, como repercutiu a Fox News na última quinta-feira, 24. 

De acordo com o veículo internacional, através de um pronunciamento, o presidente da Rússia disse que o confronto com as forças ucranianas é 'inevitável'. 

Tomei a decisão de conduzir uma operação militar especial. Nossa análise concluiu que nosso confronto com essas forças (ucranianas) é inevitável". 

'Consequências'

Putin, que descreve a ação como uma resposta a supostas 'ameaças da ucrânia', mandou recado para nações que tentarem intervir na 'operação'.

"(...) Algumas palavras para aqueles que seriam tentados a intervir: a Rússia responderá imediatamente e você terá consequências que nunca teve antes em sua história", disse ele.

Segundo levantamento preliminar da Polícia Nacional e o Serviço de Guarda de Fronteiras da Ucrânia, até o momento, ao menos 137 pessoas morreram, entre civis e militares, após a invasão. Além do mais, ao menos 20 militares foram feridos nas cidades Nikolaev, Berdyansk, Skadovsk, Myrhorod e Odessa.