Notícias » Israel e Palestina

Arqueólogos encontram esculturas egípcias de mulheres nuas em Israel

De acordo com especialistas, as estátuas de 3.500 anos eram usadas em rituais de fertilidade

Joseane Pereira Publicado em 29/07/2019, às 12h00

None
- Reprodução

Escavações na cidade israelense de Rehob revelaram objetos de 3.500 anos de idade, utilizados em práticas religiosas domésticas. Entre os artefatos, constam um escaravelho egípcio e cinco tabletes de argila com esculturas de mulheres nuas, que representam antigas deusas da fertilidade.

Embora não tenha sido totalmente escavado, o local apresenta paredes largas, pátio espaçoso e um imenso salão, indicando que teria sido uma grande estrutura pública, parte de um palácio ou residência da elite.

Escaravelho e esculturas femininas

Feito de um mineral chamado esteatita, o escaravelho contém inscrições hieroglíficas indicando que teria sido feito para Amenemhat, o Escriba da casa do superintendente de itens selados. De acordo com Amihai Mazar, professor de arqueologia da Universidade Hebraica, "Como não há outro atestado de um escriba Amenemhat 'da casa do superintendente de itens selados', não sabemos mais nada sobre ele, inclusive onde ele foi enterrado".

Escultura feminina  / Crédito: Universidade Hebraica de Jerusalém

 

Junto ao escaravelho, foram encontradas duas esculturas femininas que provavelmente retratam deusas da fertilidade, como Asherah ou Ashtarte. "Eles eram usados ​​em casa, como parte de uma prática religiosa popular na esfera doméstica, principalmente relacionada à fertilidade das mulheres", afirmou Mazar, observando que esculturas semelhantes foram encontradas em outros sítios arqueológicos da região.

Inscrição hieroglífica no escaravelho / Crédito: Universidade Hebraica de Jerusalém

 

A cidade de Rehob, hoje conhecida como Tel Rehov, foi fundada há cerca de 3.500 anos. Florescendo quando o Egito controlava grande parte da região, ela estava entre os maiores aglomerados urbanos no sul do Levante durante o final da Idade do Bronze.

Para o professor Mazar, a pessoa nomeada no escaravelho talvez nunca tenha vivido ou visitado Rehob e o objeto teria sido utilizado como um lembrete do controle egípcio sobre a área.