Notícias » Arqueologia

Cavalos medievais tinham tamanho de pôneis modernos, diz pesquisa

Embora a imagem de cavaleiros em armaduras montados em cavalos possa parecer imponente, os animais eram bem menores do que imaginamos

Isabela Barreiros Publicado em 13/01/2022, às 09h57

Pesquisadora com mandíbula de cavalo
Pesquisadora com mandíbula de cavalo - Divulgação/Universidade de Exeter

Com armaduras brilhantes e rígidas, os cavaleiros da Idade Média tinham coragem e montavam cavalos majestosos. Essa pelo menos é a imagem que temos dessas figuras imponentes na cultura popular.

No entanto, um estudo que analisou cerca de 1.964 ossos de cavalos ingleses mortos entre 300 d.C. e 1650 d.C. mostrou que eles eram menores do que nós imaginávamos — os animais teriam o tamanho de pôneis modernos.

Os esqueletos foram encontrados em 171 sítios arqueológicos diferentes e ajudaram os pesquisadores a realizarem uma comparação entre os ossos antigos com os de cavalos modernos para compreenderem as mudanças ao longo dos séculos.

Conforme as conclusões da pesquisa, descrita em um artigo publicado no periódico científico International Journal of Osteoarchaeology, os cavalos de antigamente seriam muito menores do que os que temos nos dias de hoje, tendo menos de 1,48 m de altura.

Para Alan Outram, professor de arqueologia da Universidade de Exeter e coautor do estudo, cavalos usados durante a guerra, como o corcel, podem ter sido considerados grandes na época, mas ainda são pequenos para o que esperávamos.

“As práticas de seleção e reprodução dos garanhões reais podem ter se concentrado tanto no temperamento e nas características físicas corretas para a guerra quanto no tamanho bruto”, explicou o especialista em nota, como repercutiu a CNN.

Oliver Creighton, professor de arqueologia da Universidade de Exeter, na Inglaterra, e líder da pesquisa, apontou a importância do projeto, que se tornou o maior estudo já feito em esqueletos de cavalo:

“O cavalo de guerra é peça central para nossa compreensão da sociedade e cultura medieval inglesa como um símbolo de status intimamente associado ao desenvolvimento da identidade aristocrática e como uma arma de guerra famosa por sua mobilidade e valor de choque, mudando a face da batalha”.