Notícias » Brasil

Enem 2021 terá menos inscritos negros, pardos e indígenas

Nesta edição da prova, menos participantes conseguiram habilitar-se para prestar o exame gratuitamente

Ingredi Brunato, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 02/09/2021, às 15h36

Fotografia meramente ilustrativa de aluno fazendo prova
Fotografia meramente ilustrativa de aluno fazendo prova - Divulgação / Pixabay / F1Digitals

Segundo divulgado pela Folha nesta quinta-feira, 2, o Enem 2021 contará com uma quantidade de candidatos negros, pardos e indígenas que é inferior às registradas nos últimos dez anos do vestibular.

Outra redução observada foi no número de inscritos em geral: enquanto em outros anos até 8,7 milhões de brasileiros realizaram o exame, neste ano só 3,1 milhões se inscreveram. Esse dado é o mais baixo dos últimos 14 anos. 

Um dos grandes motivos para essa queda de participação, ainda de acordo com as informações divulgadas pelo veículo, deve-se à regra que tira a isenção de taxa para aqueles que faltaram na edição anterior da prova e não ofereceram justificativa. 

O Enem 2020, infelizmente, teve uma quantidade recordista de ausências, resultado dos problemas ocasionados pela pandemia.

Inclusive, no período em que o vestibular foi aplicado, o Brasil passava por um de seus piores meses em relação às mortes e infecções diárias. Assim, a persistência desta norma, que chegou a ser discutida no Supremo Tribunal Federal, prejudicou muitos. 

A isenção de taxa é um mecanismo que permite aos estudantes que vem de famílias com até 1,5 salários-mínimos de renda mensal não serem obrigados a pagar para realizar a prova. 

Neste ano, houve menos desses participantes, uma tendência contrária à que vinha ocorrendo desde 2009, que mostrava o aumento da participação de alunos de classes mais baixas no importante vestibular.