Notícias » Rússia

Estados Unidos e União Europeia exigem libertação do opositor russo Alexei Navalny

Navalny foi detido no aeroporto, no último domingo, 17, assim que pousou em Moscou

Penélope Coelho Publicado em 18/01/2021, às 11h39

Imagem de Alexei Navalny sendo preso
Imagem de Alexei Navalny sendo preso - Divulgação/Twitter/@BBCSteveR

De acordo com informações publicadas nesta segunda-feira, 18, pela BBC, autoridades dos Estados Unidos, assim como líderes da União Europeia, pedem para que o opositor Alexei Navalny, seja libertado da prisão, na Rússia. Entretanto, os países não realizaram nenhuma ação de punição contra a nação.

O homem de 44 anos — conhecido por atuar contra o atual governo russo — foi detido no último domingo, 17, ao chegar num aeroporto em Moscou. Sabe-se que Navalny passou meses na Alemanha para se recuperar de um envenenamento e acusa o presidente Vladimir Putin pela tentativa de assassinato.

O secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disparou críticas às autoridades russas, dizendo que a prisão de Alexei é uma tentativa de silenciar seus críticos. Já o novo conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, disse que as atitudes da Rússia contra seu opositor “não são apenas uma violação dos direitos humanos, mas, uma afronta ao povo russo que quer suas vozes ouvidas”.

Países europeus como a França, Itália, Alemanha e Reino Unido também pediram para que o opositor russo fosse solto. O ministro das Relações Exteriores do Reino Unido, Dominic Raab, disse que a detenção do russo é “terrível” e cobrou a Rússia por outro posicionamento: "Em vez de perseguir Navalny, a Rússia deveria explicar como uma arma química passou a ser usada em solo russo". Já o chefe da diplomacia da União Europeia (UE), Josep Borrel, classificou como “inaceitável” a prisão de Navalny.

Confira o vídeo da prisão do opositor russo.

Entenda o caso

Em 20 de agosto do ano passado, Alexei Navalny passou mal durante um voo depois de ter tomado um chá antes de embarcar a caminho de Moscou. Inicialmente, ele ficou um período na Rússia — que negou que o opositor havia sido envenenado. Porém, a pedido da família, o homem foi transferido para Berlim, na Alemanha.

Através de exames, no mês de setembro de 2020, os alemães afirmaram que o opositor russo foi sim envenenado, tratava-se de uma substância do tipo Novichok, usada nos tempos soviéticos para fins militares.