Notícias » Arqueologia

Misteriosa estátua de cachorro é escavada em Roma

Trabalhadores encontraram um complexo funerário de 2 mil anos, onde a estátua foi descoberta por arqueólogos

Pedro Paulo Furlan, sob supervisão de Pamela Malva Publicado em 03/01/2022, às 17h00

Estátua da cabeça de um cachorro encontrada em Roma
Estátua da cabeça de um cachorro encontrada em Roma - Divulgação / Ministero Della Cultura

Segundo especialistas de arqueologia italianos, especialmente com foco em Roma, apenas um décimo da antiga capital do Império Romano já foi explorado — e, nesta segunda-feira, 03, mais um pouco de Roma foi escavado. Tratam-se de um complexo funerário e uma estátua de terracota encontrados quase que por acidente.

Funcionários da empresa Acea estavam trabalhando nos canos subterrâneos da Via Luigi Tosti quando encontraram as antigas paredes de uma construção originalmente romana. Os arqueólogos foram acionados e, assim, identificaram três tumbas separadas, uma urna de cerâmica surpreendentemente intacta e a estátua de um cachorro.

Imagens do sítio de escavação em Roma - Créditos: Divulgação / Ministero Della Cultura

 

Enquanto o complexo funerário é um achado fundamental para a melhor compreensão do período entre 100 a.C. e 100 d.C. — momento histórico de onde vêm as ruínas encontradas, segundo primeira análise dos arqueólogos —, a estátua de terracota do cachorro é um enigma ainda maior.

Os especialistas têm a hipótese de que a escultura de cabeça de cachorro encontrada fazia parte dos detalhes do encanamento da cidade romana. Não há, todavia, qualquer indício no artefato de que este era seu propósito. Logo, ele ainda está sendo analisado.

Mesmo que as relíquias tenham sido levemente afetadas devido a obras urbanas anteriores, ainda é uma descoberta muito importante, como destacou Daniela Porro, a chefe do departamento de arqueologia de Roma. As informações são do Daily Mail.

A descoberta ilumina um contexto importante. Novamente, Roma mostra traços fundamentais do passado por baixo de seu tecido urbano”, afirmou a especialista.