Notícias » China

Pedra de jade de quase 4 mil anos simbolizando cigarra é encontrada na China

Durante escavações na província de Henan, arqueólogos desenterraram o item valioso da Dinastia Xia

Alana Sousa Publicado em 13/01/2021, às 14h15

Imagem da "cigarra" feita de jade
Imagem da "cigarra" feita de jade - Divulgação

Arqueólogos fizeram uma descoberta instigante durante escavações na cidade de Yanshi, província de Henan, região central da China. Em um túmulo de mais de três mil anos, os especialistas desenterraram um artefato curioso: uma peça feita de jade em formato de cigarra. A informação foi divulgada pelo portal Ordo News.

Datado da Dinastia Xia, o item remonta há 3.600 anos e mede cerca de 4 centímetros de comprimento, segundo revelaram os pesquisadores da Academia Chinesa de Ciências Sociais. O objeto milenar estava dentro de uma tumba em um dos famosos palácios de Erlitou.

Os estudiosos explicam que a cigarra poderia ter um significado místico para povos da China Antigo. Simbolizando a metamorfose e, até mesmo, a renovação da vida, as joias dedicadas ao inseto eram usadas na tentativa de se comunicar com os deuses.

Zhao Haitao, membro da Academia, se mostra otimista com as futuras escavações, com esperança de que mais relíquias sejam desenterradas. “À medida que continuamos a limpar a tumba [para identificar objetos], é altamente provável que tenhamos descobertas mais importantes”, declarou.

Sobre arqueologia

Descobertas arqueológicas milenares sempre impressionam, pois, além de revelar objetos inestimáveis, elas também, de certa forma, nos ensinam sobre como tal sociedade estudada se desenvolveu e se consolidou ao longo da história. 

Sem dúvida nenhuma, uma das que mais chamam a atenção ainda hoje é a dos egípcios antigos. Permeados por crendices em supostas maldições e pela completa admiração em grandes figuras como Cleópatra e Tutancâmon, o Egito gera curiosidade por ser berço de uma das civilizações que foram uma das bases da história humana e, principalmente, pelos diversos achados de pesquisadores e arqueólogos nas últimas décadas.