Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Brasil

Perito morto por militares teve cadáver encontrado em rio, diz família

Laudo da polícia ainda aponta que o perito papiloscopista Renato Couto teria sido jogado vivo em rio

Wallacy Ferrari Publicado em 16/05/2022, às 17h24

Perito papiloscopista Renato Couto em fotografia pessoal - Divulgação / Redes sociais
Perito papiloscopista Renato Couto em fotografia pessoal - Divulgação / Redes sociais

O corpo do perito papiloscopista Renato Couto, desaparecido desde que três militares da Marinha confessaram ter matado o homem na noite da última sexta-feira, 13, foi localizado após três dias de buscas no Rio Guandu, sendo reconhecido por familiares na manhã desta segunda-feira, 16.

Pouco após o corpo ser levado para análises laboratoriais, a perícia ainda concluiu em sua declaração de óbito que a causa da morte foi asfixia por afogamento, compreendendo que o rapaz foi jogado vivo no rio. Contudo, sofreu também de hemorragia em decorrência dos tiros no abdômen e perna, que o impossibilitaram de sair da água.

Tecnicamente ainda precisamos da identificação papiloscópica, mas a família o reconheceu”, afirmou o chefe do Departamento geral de Polícia da Capital, o delegado Antenor Lopes, em entrevista à TV Globo.

O delegado ainda acrescentou que, no momento da morte, Renato ainda sofreu chutes entre os disparos. O motivo do assassinato teria sido motivado por uma briga em um ferro-velho. Agora, os três militares que confessaram o crime e o pai de um deles estão presos, com a audiência de custódia prevista para ocorrer na próxima terça-feira, 17.