Notícias » Crimes

Serial killer do Twitter assume culpa de nove assassinatos

Takahiro Shiraishi contrariou seus advogados, afirmando que as acusações "estão todas corretas"

Isabela Barreiros Publicado em 01/10/2020, às 14h17

Takahiro Shiraishi, o "assassino do Twitter"
Takahiro Shiraishi, o "assassino do Twitter" - Divulgação/Youtube/UTD TV

Takahiro Shiraishi, que ficou conhecido como “assassino do Twitter”, confessou seus crimes, assumindo a autoria dos nove assassinatos pelos quais ele foi acusado. O homem havia sido preso em 2017, quando pedaços de cadáveres  desmembrados foram encontrados em sua casa, em Zama, no Japão.

Ontem, 30, durante o tribunal que estava julgando o caso, o serial killer afirmou que todas as acusações contra eles "estão todas corretas". Além disso, ele também contrariou seus advogados, que afirmavam que o homem havia assassinado suas vítimas com seu consentimento, pedindo a redução da pena.

Se isso for confirmado pelo júri, ele seria condenado por "assassinato com consentimento", com uma pena entre seis meses e sete anos. No entanto, Shiraishi foi contra esse pedido, dando detalhes sobre como matou as nove pessoas. 

"Havia hematomas na nuca das vítimas. Isso significa que não houve consentimento e fiz isso para que não resistissem", disse. Caso seja condenado por assassinato, o homem será enforcado, como parte da pena de morte do Japão para crimes desse calão.

O caso chocou o Japão, e o mundo, em março 2017. Shiraishi, de 29 anos, teria aberto uma conta no Twitter para, segundo a acusação, “entrar em contato com mulheres que pensavam em suicídio, as quais ele via como alvos fáceis". Ele teria contatado as jovens afirmando que poderia ajudá-las a morrer. 

Em seu perfil na rede social, era possível ler: "Eu quero ajudar as pessoas que estão realmente sofrendo. Por favor, mande um DM [mensagem direta] a qualquer hora”. Das nove pessoas assassinadas, oito eram mulheres e a única vítima do sexo masculino foi o namorado de uma dessas jovens.