Notícias » Ciência

'Estrada' de tijolos amarelos: o curioso caminho encontrado em vulcão submarino

Uma expedição oceânica no Pacífico revelou o que parece ser uma passagem, que foi apelidada em referência a “O Mágico de Oz”

Redação Publicado em 09/05/2022, às 09h45 - Atualizado em 15/05/2022, às 08h00

Estrada encontrada por pesquisadores
Estrada encontrada por pesquisadores - Divulgação/Youtube/EVNautilus

Cientistas a bordo da embarcação Nautilus, numa expedição oceânica organizada pela ONG Ocean Exploration Trust, descobriram um caminho submarino recôndito enquanto exploravam uma antiga cadeia de vulcões subaquáticos no Pacífico. A descoberta foi repercutida na última semana. 

Apelidada de “estrada de tijolos amarelos” em referência a “O Mágico de Oz”, a descoberta foi feita durante a exploração do cume do vulcão Nootka Seamount, no Monumento Nacional Marinho Papahānaumokuākea, situado no noroeste do Havaí.

Nada de 'nova civilização'

Segundo reportado no site CNET, embora curiosa, a estrada não é uma rua pavimentada de paralelepípedos que pode levar a uma nova civilização. Na verdade, é somente uma formação natural.

Os pesquisadores apontaram que o achado é feito de hialoclastita e seu formato foi causado pela geologia vulcânica que fraturou a rocha vulcânica de maneira quase uniforme. A rocha é geralmente achada em locais onde há erupções de alta energia, e, assim, depósito de fragmentos.

“O que pode parecer uma ‘estrada de tijolos amarelos’ para a mítica cidade de Atlântida é realmente um exemplo de antiga geologia vulcânica ativa!”, explicou a Ocean Exploration Trust em nota.

A explicação para os padrões similares a tijolos na “estrada” estão nos ciclos de aquecimento e resfriamento dos vulcões, de acordo com os especialistas, que coletaram amostras durante a expedição para entender melhor o fenômeno.

“Nossa exploração desta área nunca antes pesquisada está ajudando os cientistas a examinar mais profundamente a vida nas encostas rochosas desses antigos e profundos montes submarinos”, ressaltou a organização.

A ONG completou: “Esses estudos ajudarão a fornecer informações básicas sobre as comunidades vivas dos montes submarinos que podem informar as medidas de manejo e conservação."