Matérias » Personagem

118 dias de agonia: a infeliz experiência de Maurice e Maralyn Bailey em alto mar

O casal que não recusava uma aventura se viu diante de um naufrágio que resultou em momentos desesperadores

Caio Tortamano Publicado em 14/06/2020, às 09h00

O casal aventureiro Maralyn e Maurice Bailey
O casal aventureiro Maralyn e Maurice Bailey - Divulgação

O casal Maurice e Maralyn Bailey representava a típica dupla aventureira apaixonada por longos períodos em barcos, velejando pelo Oceano. Essa paixão, entretanto, levou a uma traumática e perigosa experiência.

O barco havia sido encomendado após a decisão de viver uma aventura que sairia da Inglaterra até a Oceania. Demorou quase quatro anos até que ficasse completamente pronto. Enquanto isso, os dois foram aprimorando os conhecimentos de navegação deles além de prepararem todo o equipamento necessário.

Em junho de 1972, os dois saíram de Southampton em direção a Espanha e depois iriam até as Ilhas Canárias. De lá eles se dirigiram até o Panamá, podendo atravessar o canal para alcançar finalmente o Oceano Pacífico.

A partir daí, começaram a surgir os problemas. Pouco depois de terem entrado nessa parte da aventura, o barco começou a chacoalhar violentamente. Assim, os dois se dirigiram para fora da embarcação com o objetivo de ver o que estava acontecendo. Tratava-se de uma baleia, o majestoso animal balançou a sua cauda e atingiu em cheio o casco do navio.

Um buraco considerável foi feito no barco apelidado de Auralyn. Como consequência, a embarcação fora afundando lentamente. Por mais que tivessem tentado tapar o buraco visível no casco, outras entradas possibilitaram a passagem da água, que entrava com toda força possível. A única solução era abandonar o navio o mais rápido possível.

À deriva

Os dois juntaram o maior número de objetos pessoais possíveis para colocar no bote salva-vidas que seria a única opção possível para o casal. Água engarrafa, comida enlatada e suprimentos médicos foram recolhidos. A dupla observava o Auralyn desaparecer lentamente da superfície enquanto entrava em pânico no pequeno bote.

Logo perceberam que a comida duraria, no máximo, 20 dias. Enquanto os dias passavam lentamente, perceberam que teriam que encontrar novas fontes de energia. A necessidade fez com que pegassem com as próprias mãos a primeira refeição que não estava numa lata. Era uma tartaruga.

O sextante foi o método encontrado por Maurice para se localizar no oceano. Enquanto observava o infinito, chegou à conclusão que a correnteza levaria a dupla para a direção oposta de Galápagos, o local para o qual seria mais fácil chegar naquele momento. Como consequência, passaram a remar. 

Foi assim que o casal passou boa parte do tempo / Crédito: Divulgação

 

Entretanto, não foi uma ideia nada sensata. Na verdade, todo o esforço foi em vão: depois de três dias e três noites eles perceberam que não tinham nem sequer saído do lugar. Sem forças para buscar outra rota, o casal se viu sem saída. 

Reforço

O trajeto que estavam utilizando não era incomum, sendo muito utilizado por fragatas comerciais. Foi assim que avistaram o primeiro navio. Extasiados e em alegria, todo o cansaço desapareceu. Sem nem pensar duas vezes ativaram o sinalizador, mas foram ignorados pela tripulação da embarcação — a maior parte das atividades de uma tripulação ocorrem dentro do navio, tendo pouco tempo para observar o oceano em volta.

Eles encontraram outras seis embarcações, entretanto, nenhuma foi capaz de responder aos pedidos de socorro. Com o passar do tempo, um pequeno ecossistema começou a ser montado ao redor do barco. Os animais passaram a se tornar o alimento do casal, principalmente as aves que se aproximavam com menos medo do que os animais aquáticos.

Os dias passavam cada vez mais devagar, e as atividades que realizavam, como jogos de cartas e leituras não conseguiam mais enganar a falta de comida e a desidratação. Esse foi o tempo que demorou do momento que os Baileys ficaram à deriva até que fossem encontrados por um barco de pesca sul coreano, em junho de 1973. Os pescadores localizaram o bote e se aproximaram do casal. Maurice e Maralyn estavam 18 quilos mais magros e com as pernas fracas.

Os dois foram resgatados e levados até o Havaí. No estado americano receberam tratamento médico, até ser possível levar os dois novamente para a Inglaterra. No ano seguinte, em 1974, os dois já estavam velejando de novo.


+Saiba mais sobre naufrágios por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Naufrágios, de Akira Yoshimura (2003) - https://amzn.to/2VNBpkZ

O Naufrágio do Goilden Mary, de Charles Dickens (2016) - https://amzn.to/2XXFXry

Livro dos Naufrágios: Ensaio Sobre a História Trágico-Marítima, de Angélica Madeira (2005) - https://amzn.to/2VuOTTR

Três destinos, de Nora Roberts (2019) - https://amzn.to/2XTfECZ

Todo naufrágio é também um lugar de chegada, de Marco Severo (2019) - https://amzn.to/2KmQMvv

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W