Matérias » Estados Unidos

A curiosa cidade do Velho Oeste que ressurgiu após a seca na Califórnia

Em julho deste ano, a baixa do nível dos reservatórios norte-americanos permitiu que as ruínas de um local há muito inundado voltassem à superfície

Ingredi Brunato, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 08/08/2021, às 08h00

Fotografias das ruínas
Fotografias das ruínas - Divulgação / California State Parks

Durante o último mês de julho, o estado norte-americano da Califórnia foi fustigado por uma seca de proporções históricas. Segundo repercutido pelo site Um Só Planeta, essa foi considerada a pior estiagem vivida pela região nos últimos 50 anos. 

Em meio às condições ambientais extremas, contudo, uma parte da história do local, que ficou escondida sobre as águas da represa do Lago Folsom durante mais de um século, veio à superfície. 

Isso porque a onda de calor resultou em uma baixa dos níveis nos reservatórios californianos. Foi então que, nas margens recuadas do lago, se tonrou possível avistar ruínas de uma pequena cidade habitada durante o período em que a região era conhecida como o Velho Oeste.  

Fotografias das ruínas ressurgidas / Crédito: Divulgação/ California State Parks

 

O vilarejo é chamado de “Mormon Island” e foi habitado durante o período entre 1849, quando o local foi fundado, e 1856, quando um incêndio destruiu os hotéis, lojas e armazéns que ali estavam. 

A cidade nunca chegou a ser reerguida das cinzas, até porque a economia da região entrou em decadência, de forma que permaneceu abandonada. Então, em 1955, veio a edificação da represa que inundou as ruínas do povoado. 

Ouro e Mormon Island 

Ilustração de 1850 mostrando atividades de mineração de ouro na Califórnia / Crédito: Divulgação/ Harper's Weekly magazine

 

A trajetória do 'vilarejo fantasma' está intimamente entrelaçada com a chamada Corrida do Ouro que ocorreu nos Estados Unidos entre 1848 e 1853. Conforme documentado pelo site Sua Pesquisa, por volta de trezentas mil pessoas viajaram para a Califórnia a fim de participar da mineração do valioso metal. 

Essa migração em massa ocorrida em resposta à notícia da presença de ouro na região gerou o surgimento não apenas de cidades como Mormon Island, mas também de outras maiores e mais famosas, como é o caso de São Francisco. 

No caso do assentamento histórico, ele teria sido o lar de cerca de 2.500 norte-americanos durante seu auge.

Infelizmente, quando os depósitos do metal precioso foram chegando ao fim, a área perdeu sua importância econômica, e acabou sendo lentamente esvaziada, com o incêndio que colocou um ponto final em Mormon Island sendo o golpe de misericórdia.

No total, foi extraído o equivalente a cerca de 2 bilhões de dólares em ouro da Califórnia durante o período, todavia a maior parte dos garimpeiros não foi capaz de enriquecer devido às condições duras do trabalho e da vida no local.  

Contra a lei 

Os artefatos históricos revelados no leito do Lago Folsom atraíram a atenção e curiosidade dos moradores locais, todavia as autoridades californianas alertaram que era proibido retirar qualquer item do reservatório, conforme estabelecido por uma série de leis federais responsáveis pela proteção de patrimônios arqueológicos. 

Fotografia do lago com o nível de água normal / Crédito: Divulgação/ California State Parks

 

Qualquer um que alterasse o lugar poderia enfrentar uma multa de até 250 mil dólares ou então acabar atrás das grades. 

“É uma experiência única visitar as ruínas de um local histórico e se perguntar quando ele foi habitado e como as pessoas de lá viviam. Se esses objetos históricos forem movidos ou removidos, a experiência é arruinada para outros visitantes”, explicou Richard Preston-LeMay, o superintendente da Área Recreacional Estadual do Lago Folsom, através de um comunicado publicado no site oficial do departamento.