Matérias » Personagem

A morte que chocou Hollywood: os dias finais de Robin Williams

O ator será sempre lembrado pelo terapeuta que viveu em "Gênio Indomável", o professor que interpretou em "Sociedade dos Poetas Mortos" e tantos outros trabalhos sensíveis e talentosos

Ingredi Brunato Publicado em 15/11/2020, às 14h00 - Atualizado às 23h46

Fotografia de Robin Williams
Fotografia de Robin Williams - Wikimedia Commons

Em agosto de 2014, um grupo de amigos de Robin Williams se depararam com uma cena terrível ao entrar em seu apartamento. O ator estava sem vida, com um cinto enrolado no pescoço. Ele havia se suicidado. 

Do lado de fora, sua terceira esposa, a desenhista gráfica Susan Schneider, o esperava para que fizessem uma meditação juntos. O único motivo pelo qual ela não teria ido checá-lo antes, na verdade, foi porque seu marido parecia que tinha dormido bem naquela noite, o que era raro, de forma que decidiu não perturbá-lo. 

Robin Williams foi um ator e comediante norte-americano. Fez carreira no stand-up, passou algum tempo no teatro, e, é claro, esteve no cinema. Durante sua vida, recebeu um Óscar por seu papel como coadjuvante no filme “Gênio indomável”, de 1997, além de seis Globos de Ouro e dois Emmys. 

Sua morte foi um choque para Hollywood. Embora fizesse anos que o ator sofria com transtorno depressivo, fato que em 2014 foi apontado como um dos maiores motivos por trás de seu suicídio, a esposa de Williams disse à revista People no ano seguinte que esse seria "um dos 50 sintomas e um dos menos importantes, por sinal".

Na época, o ator ainda não sabia, mas estaria sofrendo de uma forma de demência que tem como um dos sintomas drástica alteração no estado mental da pessoa que sofre dela. A doença só foi descoberta após a autópsia de Robin. 

Trecho do Filme Gênio Indomável / Crédito: Divulgação/ Netflix 

 

Problemas 

Durante sua vida, Williams passou por dois divórcios, além de ter lidado com alcoolismo e com um vício em cocaína, esses dois últimos já tendo sido superados no momento em que se matou. O mesmo não podia ser dito sobre seu segundo divórcio, que segundo o livro biográfico “Robin”, do jornalista Dave Itzkoff, ainda era algo que pesava nas costas do ator, por conta dos dois filhos que tinha tido naquele casamento. 

“Ele tinha certeza de que havia nos decepcionado. Nunca conseguiu aceitar. Algo triste, porque todos o amávamos e só queríamos a sua felicidade”, relatou um de seus filhos, Zachary Pym Williams, segundo divulgado pela Vanity Fair em 2018.  

O ator norte-americano, então na casa dos 60 anos, ainda parecia sofrer no campo profissional, sentindo que não era mais capaz de repetir seus sucessos anteriores. Uma prova disso seria quantos convites para voltar a performar stand-up ele teria recusado naqueles últimos tempos."Não posso. Não sei mais como ser engraçado", teria dito ele para Cheri Minns, sua amiga de longa data e maquiadora, em meio a soluços desconsolados, ainda segundo exposto em "Robin". 

Problemas de saúde 

Para piorar a situação, Robin também foi diagnosticado com a doença de Parkinson, que embora mais conhecida pelos tremores, possui uma série de outros sintomas, como rigidez muscular, alterações na voz, problemas digestivos, urinários, relacionados ao humor e ao sono, dessa forma afetando diversas áreas na vida dos que sofrem com o mal. 

Como Cyndi McHale contou no livro de Itzkoff, o artista teria dito que se sentia preso dentro de seu próprio corpo devido aos efeitos da doença, que apenas contribuía para o cenário de crise em que sua vida se encontrava. 

Perto de seu fim autoimposto, Williams teria ainda reunido forças para buscar ajuda uma última vez, voltando a visitar o centro de intoxicação que teria ajudado-o, anos antes, a superar o vício em cocaína. Ele também estava praticando meditação, na tentativa de encontrar-se, e principalmente, ser capaz de voltar a sentir felicidade em relação à sua vida. 

Todavia, como as circunstâncias de sua morte revelou, o ator não conseguiu chegar nesse objetivo à tempo, tendo atingido seu limite primeiro.

“Esta manhã, perdi meu marido e meu melhor amigo. O mundo perdeu a um de seus melhores artistas e uma belíssima pessoa. Em nome da família de Robin, eu lhes peço respeito. Quando ele for recordado, que não seja pela sua morte, mas pelos muitos momentos de alegria e sorrisos que nos presenteou”, disse sua esposa Susan em um comunicado após a notícia do triste acontecimento.


+ Caro leitor, se você sente que precisa de apoio emocional entre em contato gratuitamente com o Centro de Valorização da Vida através do número 188. O serviço contra com voluntários treinados para ajudá-lo da melhor forma possível.