Matérias » Bizarro

Anneliese Michel: A terrível história real que inspirou o filme O exorcismo de Emily Rose

Na década de 1970, na Alemanha, a trágica vida da jovem Anneliese inspiraria uma das mais famosas obras cinematográficas de terror

Alana Sousa Publicado em 13/09/2019, às 14h00

Ilustração da posessão de Anneliese
Ilustração da posessão de Anneliese - Yokomolotov/Deviantart

Aos 16 anos, Anneliese Michel, uma jovem alemã católica, foi diagnosticada com epilepsia, após diversos episódios de convulsão, em 1968. A partir de então, a menina entrou em depressão profunda, tentou suicidar-se algumas vezes. Porém, o que mais chamava atenção de sua família eram as alucinações que ela afirmava ter enquanto rezava, falava que ouvia vozes dizendo que ela estava condenada e iria “apodrecer no inferno”.

A situação da adolescente se agravava a cada dia. Ela passou a andar nua pela casa, comer insetos, defecar por todos os lugares e beber a própria urina. A família então decidiu interná-la em uma clínica psiquiátrica.

Por ter vivido a vida inteira no estado de Baviera, na Alemanha, local conhecido por ser extremamente católico, Anneliese atribuiu sua condição à possessão demoníaca. Tornou-se, intolerante a objetos e lugares considerados sagrados. Apesar de tomar inúmeros remédios que buscavam combater a psicose e até mesmo a esquizofrenia, a jovem afirmava que era constantemente atormentada pelo que chamava de faces do diabo.

Anneliese Michel / Crédito: Reprodução

 

Anos se passaram e Anneliese ficou cada vez mais convencida de que a medicina não poderia ajudá-la. Em uma peregrinação que passaria por lugares religiosos, a alemã e sua família marcaram presença. E após o vigário que acompanhava a vigília testemunhar que a garota não conseguia ficar perto de nenhum crucifixo e nem beber a água sagrada, como todas as outras pessoas faziam, eles se convenceram de que se tratava mesmo de uma possessão demoníaca. “Ela teve que desviar o olhar da imagem de Cristo”, disse o cristão posteriormente.

A família Michel passou a procurar, sem sucesso, por um padre que realizasse o exorcismo. Os párocos diziam que a menina deveria continuar seu tratamento médico e que para a cerimônia de expulsão era necessária uma autorização de um bispo da Igreja.

Em 1973, a garota estava em seu pior estado físico, com um corpo esquelético, ela se recusava a comer comida normal e era muito agressiva. A permissão para que o exorcismo fosse realizado veio quando o padre Ernst Alt a viu. Prontamente acreditou que a jovem estava possuída por criaturas malignas.

Dois anos depois, o bispo Josef Stangl concedeu ao padre Arnold Renz o direito de exorcizar Anneliese, mas pediu que isso fosse feito em sigilo absoluto. Ao todo foram dez meses de sessões de exorcismo, chegando no final a 67 encontros, alguns duravam até quatro horas.

Bispo Josef Stangl / Crédito: Reprodução

 

O tratamento médico foi abandonado e a família se apoiava inteiramente nos exorcismos, que se passaram entre os anos 1975 e 1976. Sem nenhum resultado, a menina parou de se alimentar e declarou em uma sessão que queria “morrer para expiar os jovens rebeldes da época e os padres apóstatas da igreja moderna”.

Imagens do exorcismo de Anneliese / Crédito: Reprodução

 

Anneliese Michel morreu em 1 de julho de 1976, em sua casa, enquanto dormia. A autópsia revelou que a causa da morte foi desnutrição, já que ela não se alimentava por meses. No mesmo ano, o Estado acusou de homicídio os pais de Michel, o bispo Ernst Alt e o padre Arnold Renz. Os promotores afirmaram que a morte da menina poderia ter sido evitada até uma semana antes do óbito.

Anneliese Michel / Crédito: Reprodução

 

Durante o julgamento foram apresentados vídeos do exorcismo e imagens do estado da adolescente. A Igreja foi condenada a pagar uma multa, e os pais foram absolvidos por, segundo uma lei alemã, terem “sofrido o suficiente”.

O caso foi objeto de filmes, livros, e músicas. O mais famoso deles é a obra de terror: O Exorcismo de Emily Rose.