Matérias » Brasil

Antro de torturas e assassinatos: O que foi a Operação Bandeirantes?

Oban precedeu o sistema DOI-CODI, que em São Paulo foi coordenado pelo major do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra

Fabio Previdelli Publicado em 04/04/2021, às 07h00

Manifestação contra a ditadura no Rio de Janeiro, em 1968
Manifestação contra a ditadura no Rio de Janeiro, em 1968 - Memorial da Democracia

Em 29 de junho de 1969, uma cerimônia que conta com a presença do governador de São Paulo, Abreu Sodré, e dos comandantes locais da Marinha e da Aeronáutica, o comandante do 2° Exército, general José Canavarro Pereira, inaugura, embora de forma não oficializada, a Operação Bandeirantes, também conhecida como Oban.  

[Colocar ALT]
Documento reservado da Segurança Pública de SP / Crédito: Memorial da Democracia

Com o intuito de centralizar forças de inteligência e operacional, a Oban buscava fechar o cerco contra organizações revolucionárias de esquerda, sejam elas armadas ou não, segundo aponta o Memorial da Democracia, sob direção do Centro de informações do Exército (CIE). 

De acordo com o jornalista Elio Gaspari, autor de ‘A Ditadura Escancarada’, a Oban surgiu por uma demanda direta da Presidência da República.

“[A Oban] foi lapidada por meio de uma Diretriz para a Política de Segurança Interna, pela presidência da República em junho de 1969, que resultou no surgimento de estruturas semelhantes em outros estados. Estabelecia as normas que centralizavam o sistema de segurança, colocando-o sob as ordens de um oficial do Exército classificado na seção de informações do comando militar. Ele requisitaria efetivos à PM, delegados e escreventes à polícia”. 

Ajuda de grandes empresários 

O projeto da Operação Bandeirantes, segundo o Memorial da Democracia, foi financiado não só com a ajuda de grandes empresários de São Paulo, como também de grandes empresas multinacionais.

O local escolhido para sediar o centro de torturas e assassinatos foi a 36ª delegacia de polícia, localizada entre as ruas Tutóia e Tomás Carvalhal, no bairro do Paraíso.

O Memorial da Democracia também aponta que comando-geral da Oban ficou sob encargo do major Waldyr Coelho e o delegado do Departamento de Ordem Política e Social (DOPS) foi Sérgio Paranhos Fleury.  

Torturas e violações 

A Oban teve núcleos em diversas regiões do país, sendo as sedes em São Paulo e no Rio de Janeiro as principais entre elas. Entre os métodos aplicados durante a Operação Bandeirantes destacam-se não só a perseguição e caça de pessoas ligadas, ou não, à grupos considerados revolucionários, como também ao assassinato e tortura daqueles que foram presos. 

Em São Paulo, conforme mostra matéria do Brasil Escola, também podia-se notar a participação de membros das polícias paulistas, principalmente a Civil, que eram conhecidas por seus esquemas de corrupção e por suas ligações ao crime, como grupos de extermínio — que caçavam quaisquer pessoas que consideravam praticar “atividade subversiva”. 

Um desses casos, cometido por Paranhos Fleury, é relatado por Elio Gaspari, que mostra como ele “convenceu” os militares da “eficácia” da tortura.  

"Nos anos seguintes o delegado tornou-se um paradigma da eficácia da criminalidade na repressão política. Um raciocínio que começara com a ideia de que a tortura pode ser o melhor remédio para obter confissão transbordava para o reconhecimento de que um fora da lei pode ser o melhor agente para a defesa do Estado. Recompensando-o, em 1971, por sugestão do CIE, o governo passou-lhe no pescoço a fita verde-amarela com a Medalha do Pacificado". 

Rua Tomás Carvalhal, 1030, fundos da 36ª Delegacia de Polícia, onde funcionava a Oban/ Crédito: Wikimedia Commons

 

A Oban operou até meados de 1970, quando foi extinta e serviu de modelo para a criação do Destacamentos de Operações de Informação – Centros de Operações de Defesa Interna (DOI-CODI). 

Como mostra o Arquivo Nacional do Ministério da Justiça, o sistema DOI-CODI foi estruturado em diversas capitais do país nos anos seguintes, se tornando os principais centros onde ocorriam casos de execuções e desaparecimentos forçados de opositores ao regime. Em São Paulo, o DOI-CODI foi coordenado pelo major do Exército Carlos Alberto Brilhante Ustra


++ Saiba mais sobre a ditadura militar no Brasil por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

A Ditadura Envergonhada, de Elio Gaspari (2015) - https://amzn.to/3b1gql8

Liberdade vigiada: As relações entre a ditadura militar brasileira e o governo francês, de Paulo César Gomes (2019) - https://amzn.to/2Rta71U

Cativeiro sem fim: as Histórias dos Bebês, Crianças e Adolescentes Sequestrados Pela Ditadura Militar no Brasil, de Eduardo Reina (2019) - https://amzn.to/2JUI6vZ

1964: O Elo Perdido. O Brasil nos Arquivos do Serviço Secreto Comunista, de Mauro Kraenski e Vladimir Petrilak (2017) - https://amzn.to/2V0wCh2

Ditadura à brasileira: 1964-1985 a democracia golpeada à esquerda e à direita, de Marco Antonio Villa (2014) - https://amzn.to/2V0Apuy

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W