Matérias » Personagem

Crimes e torturas durante os Anos de Chumbo: o passado de Major Curió

O tenente-coronel do Exército, que foi recebido pelo presidente Jair Bolsonaro, chegou a divulgar uma série de documentos que revelaram crimes

André Nogueira Publicado em 05/05/2020, às 12h03

Curió enquanto tenente na Serra Pelada
Curió enquanto tenente na Serra Pelada - Divulgação

Major Curió é a alcunha de guerra de um agente, que teve participação direta na repressão militar durante a ditadura, chamado Sebastião Rodrigues de Moura, atualmente tenente-coronel da reserva e réu em processos por crimes contra a humanidade durante sua atividade como oficial.

Sua principal atuação foi como agente infiltrado, torturador e repressor contra a Guerrilha do Araguaia, no Sul da Amazônia. Sebastião acrescentou oficialmente o prosônimo Curió ao seu nome completo.

Iniciando treinamento em Fortaleza, o militar mineiro era pugilista e viveu da profissão por um bom tempo. Foi nesse período que ganhou o apelido de Curió - se pareceria com o pássaro durante rinhas que fazia. Completando o treinamento de cadete, ingressou na Academia Militar das Agulhas Negras, onde se especializou em engenharia.

Repressão

Chegando ao posto de tenente, ele passou a servir o Centro de Informações do Exército e o Serviço Nacional de Informações, órgãos de espionagem e repressão contra articulações políticas de derrubada do regime. Nessas posições, foi indicado entre os militares responsáveis pelas atividades de implosão da Guerrilha do Araguaia, movimento armado comandado pelo PCdoB contra a Ditadura.

Segundo relatórios da Comissão Nacional da Verdade, Curió foi diretamente responsável pela execução, por parte do Exército, de 41 membros da guerrilha, entre os 67 guerrilheiros assassinados no processo, entre 1973 e 1975, num movimento acusado por Elio Gaspari, escritor responsável por uma quintologia sobre a Ditadura, de ser um claro processo de extermínio.

Guerrilha do Araguaia / Crédito: Wikimedia Commons

 

Major Curió foi membro importante da Operação Marajoara, um conjunto de militares que venceu os guerrilheiros no Pará em 1975, operando em centros de repressão nas bases de Bacaba, Marabá e Xambioá, com execuções e ocultamento de cadáveres. Foi descrito como um torturador violento, inclusive por denúncias do politico José Genuíno.

Disfarce 

Participando de sessões de tortura e unidades de investigação, ele se manteve disfarçado com identidades falsas fornecidas pelo próprio Governo Geisel, passando por repórter da Globo, civil de nome Paulo e, como ficou mais famoso, técnico do Ministério da Agricultura Marco Antônio Luchinni.

Muitas das descrições das ações militares no Araguaia foram fornecidas pelo próprio Major Curió em 2009, quando revelou publicamente uma série de documentos sobre a Guerrilha, que guardou numa mala de couro vermelha durante 35 anos.

Curió no disfarce do Ministério da Agricultura / Crédito: Wikimedia Commons

 

As informações, que viriam a ser base para a biografia Mata! – o Major Curió e as Guerrilhas no Araguaia, detalhavam as execuções de opositores nas bases militares da Amazônia. Em seguida, os relatórios foram usados como vieses confirmatórios para as acusações judiciais contra o coronel.

Após as brutais ações no Araguaia, Curió foi indicado como interventor federal na região da Serra Leste, onde se localizava a famosa zona de garimpo da Serra Pelada. Lá, criou importantes articulações políticas, principiante por ser confidente próximo de Ernesto Geisel. Isso possibilitou o nascimento da cidade de Curionópolis, de onde seria prefeito em 2000, por conta de lobbys que criou desde os anos 1980.

Ação falha

Sua atividade no Pará resultou no aumento dos garimpos e um possível lucro não oficial por parte do militar. Nesse tempo, ele também foi enviado pelo governo federal para comandar uma operação de repressão contra um acampamento de famílias de sem-terra no Rio Grande do Sul. No entanto, ao contrário do ocorrido na bacia do Araguaia, essa ação falhou.

Curió nos dias de hoje / Crédito: Divulgação/Facebook

 

Ainda nos anos 1980, ele deu início a uma carreira política, sendo eleito Deputado Federal pelo PDS, e tornou-se aliado de grandes garimpeiros e ruralistas no desenvolvimento de organismos de facilitação do trabalho de mineração entre os mais ricos. Também integrou a Comissão de Segurança Nacional da Câmara.

Em 2012, o ele foi processado pelo ministério Público Federal pelos crimes cometidos durante a ditadura, mas o pedido de abertura foi recusado pelo juiz federal João César Otoni de Matos.

As provas contra Curió eram, em maior parte, os documentos que o mesmo revelou em 2009, que atestam execuções politicas. Dois anos depois, seu nome foi citado em um relatório da Comissão Nacional da Verdade, que delatou 377 agentes do Estado por crimes contra os Direitos Humanos.

Os advogados do militar atestam que nenhuma ação pode ser movida contra ele na Justiça, pois suas atividades são protegidas pela Lei da Anistia de 1979. No entanto, o Ministério Público defende que seus crimes são alheios à revogação ou à prescrição por se tratarem de atos de lesa-humanidade.

Ficha do militar no Congresso Nacional / Crédito: Câmara dos Deputados

 

Além disso, Curió ainda tem possibilidade de se tornar réu em acusações já formuladas de sequestro, execução, assassinato e ocultação de cadáver. Por enquanto, só há um agente da repressão condenado pela Justiça – o coronel Carlos Alberto Brilhante Ustra.


+ Saiba mais sobre esse caso pelas obras disponíveis na Amazon: 

Operação Araguaia: Os arquivos secretos da guerrilha, de Taís Morais e Eumano Silva (2005)  - https://amzn.to/3c8i9FE

Mata! – o Major Curió e as guerrilhas no Araguaia, de Leonêncio Nossa (2012) - https://amzn.to/2ze242y

Tortura e sintoma socia, de Maria Rita Kehl (2019) - https://amzn.to/3c8KzPM

Borboletas E Lobisomens: Vidas, Sonhos E Mortes Dos Guerrilheiros Do Araguaia, de Hudo Studart (2018) - https://amzn.to/2xB7Ef4

1964: história do regime militar brasileiro, de Marcos Napolitano (2014) - https://amzn.to/35z6JIu

Coleção Ditadura, de Elio Gaspari (2014) - https://amzn.to/2YIAK7g

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.
 
Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 
 
Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W