Matérias » Brasil

A curiosa saga do cavalo que marcou a chegada do Brasil República

A montaria foi escolhida para o importante episódio por conta de uma sequência inusitada de fatos

Ingredi Brunato, sob supervisão de Pamela Malva Publicado em 13/09/2021, às 18h00

Uma das pinturas que retratam Deodoro da Fonseca
Uma das pinturas que retratam Deodoro da Fonseca - Domínio Público/Henrique Bernardelli

O Brasil deixou de ser Império através de uma insurreição militar. O exército, todavia, era apenas um dos vários setores da sociedade que estavam insatisfeitos com o governo de Dom Pedro II. Havia também os latifundiários, a classe média urbana e a Igreja, sendo todos esses inimigos influentes. 

Em uma ironia histórica, todavia, Marechal Deodoro da Fonseca, em particular, não era necessariamente contra a Família Imperial: embora não aprovasse muitas das atitudes da monarquia, também não tinha planos de derrubá-la, segundo revelam suas cartas da época, o que foi documentado pelo Infoescola. 

A despeito dessas opiniões pessoais, o respeitado oficial militar foi um dos responsáveis por realizar a Proclamação da República, de forma que, no final das contas, um monarquista ajudou a dar um fim ao Brasil Império. 

Ainda conforme o Infoescola, o Marechal pensava que, no fim, a Família Imperial reconquistaria o poder e puniria os soldados insurgentes. Como mostra a História, entretanto, essa teoria não se comprovou.

Marechal Deodoro da Fonseca, o militar que proclamou a República /Crédito: Domínio Público via Wikimedia Commons

 

15 de novembro de 1889

Fonseca estava tão doente na madrugada anterior ao dia que a nação deixou de ter um imperador que os outros republicanos pensaram que estava com suas horas contadas, e não iria resistir nem mesmo até a manhã seguinte. 

Dessa forma, decidiram sair para o Rio de Janeiro (onde ficava a capital do país naquela época) para depôr Dom Pedro II sem ele. 

O militar que ganhou sua reputação na Guerra do Paraguai, no entanto, fez questão de comparecer mesmo adoentado, segundo explicado pelo jornalista e escritor LaurentinoGomes em 2014, através de sua coluna no El País. A curiosa história foi repercutida também pelo portal AnaMaria posteriormente. 

Levantou-se da cama e, fraco e cambaleante, tomou uma charrete para ir se encontrar com os soldados", contou Laurentino, autor de "1889", entre outras obras.

O restante dos oficiais havia ido a cavalo, porém Deodoro estava muito debilitado para cavalgar. A despeito disso, o militar não queria que a verdadeira gravidade de sua condição transparecesse, de forma que quando já estava se aproximando do grupo, montou um cavalo só para manter as aparências. 

Pintura feita da Proclamação da República / Crédito: Domínio Público via Wikimedia Commons

 

O cavalo ideal

O animal escolhido para acomodar o ilustre Marechal era apelidado simplesmente de baio número 6 e era considerado o menos arredio de toda a tropa do Primeiro Regimento de Cavalaria. 

A mansidão do corsel o tornava ideal para carregar o abatido oficial durante sua importante tarefa. Foi dessa forma que o equino acabou tendo a honra de participar desse valioso momento da trajetória brasileira. 

Inclusive, ele seria mais tarde imortalizado na tela do pintor Henrique Bernardelli, que foi finalizada em 1890, meses depois do episódio.

Não dá para negar que o animal foi muito bem recompensado por seu papel. Durante sua aposentadoria do serviço militar, o baio número 6 também teve a oportunidade de ficar no estábulo do quartel, sem muitas obrigações, sendo bem alimentado e sem precisar carregar nenhum outro humano nas costas. 

O fato foi comentado até mesmo pelo próprio Marechal Deodoro daFonseca alguns anos depois: "Vejam os senhores, quem lucrou no meio de tudo aquilo foi o cavalo!", afirmou, conforme relatado por Laurentino.


+Saiba mais sobre o militar e o seu papel na queda da monarquia brasileira através de importantes obras:

Os Presidentes E A Republica: Deodoro Da Fonseca A Dilma Rousseff, Arquivo Nacional, 2019 - https://amzn.to/2CL9Gbm

Guia politicamente incorreto dos presidentes da República, Paulo Schmidt, 2016 - https://amzn.to/2pgUvDK

1889: A República Não Esperou o Amanhecer, Hélio Silva, Civilização Brasileira, 1972 - https://amzn.to/32KoMZl

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W