Matérias » Personagem

Gisella Perl, a médica que fez centenas de partos e abortos em Auschwitz

De forma clandestina, sem luz, instrumentos ou água, ela salvou, com as próprias mãos, a vida de muitas mulheres judias

Pamela Malva Publicado em 22/08/2020, às 09h00

Fotografia de Gisella Perl já mais velha
Fotografia de Gisella Perl já mais velha - Wikimedia Commons

Quando decidiu ser médica, Gisella Perl não imaginava que teria um papel crucial durante a Segunda Guerra Mundial. Nascida em uma família tradicionalmente judia, ela passou por diversos obstáculos para conseguir seu diploma — inclusive o próprio pai.

Com o atestado em mãos, a jovem trabalhou como ginecologista até meados de 1944, quando tropas nazistas invadiram o norte da Romênia. Junto de seu marido e filho, Gisella foi enviada para o campo de concentração de Auschwitz.

Começava, então, uma das experiências mais terríveis da vida da médica. Em condições insalubres, Gisella salvou a vida de centenas de mulheres interrompendo sua gravidez e, até mesmo, tirando a vida de recém-nascidos.

As gestantes no campo de concentração / Crédito: Domínio Público

 

Planos obscuros

Tudo começou quando Josef Mengele, o médico conhecido como Anjo da Morte, determinou que Gisella trabalharia como ginecologista em Auschwitz. Muito além atender as mulheres, ela ainda era obrigada a reanimar judias que tinham o sangue extraído à força para os soldados da SS feridos em batalha.

Enquanto servia, no entanto, a médica percebeu um esquema brutal: sempre que mulheres grávidas chegavam ao campo, eram enganadas pelos nazistas. Acreditando que teriam ração extra, as futuras mães, na verdade, eram “espancadas, destroçadas por cães e jogadas no crematório. Vivas”, escreveu Gisella, posteriormente.

Em seu livro de 1948, Eu era uma médica em Auschwitz, a ginecologista conta que, logo que descobriu as atrocidades, decidiu fazer alguma coisa. “Dependia de mim salvar a vida das mães, se não havia outra maneira, destruindo a vida de seus filhos não nascidos”, lamentou nas páginas da obra.

Fotografia de Gisella quando ainda jovem / Crédito: Divulgação/Giora Giora Itzhak Yardeni

 

Trabalho ingrato

Assim, sem quaisquer instrumentos ou suprimentos necessários, Gisella usou suas próprias mãos para realizar centenas de partos e abortos improvisados. Os terríveis procedimentos eram feitos durante a noite, enquanto todos dormiam, no escuro.

Ao todo, Gisella fez o parto de crianças no sétimo, sexto e quinto mês de gestação. Nesse sentido, ela conta, o pior dos dias foi quando pegou um bebê de três dias nas mãos, lhe deu um beijo de despedida e apertou seu pequeno pescoço até o ar acabar.

De forma melancólica, Gisella era a única saída de diversas mulheres que engravidavam no campo de concentração — onde o corpo era usado como moeda de troca para conseguir comida e água, produtos que apenas homens eram capazes de roubar.

Judias com seus filhos, após a libertação de Dachau / Crédito: Domínio Público

 

Vida ingrata

Eventualmente, Gisella foi transferida para Bergen-Belsen, onde continuou trabalhando como ginecologista e parteira clandestina. Ela lembra que, quando as tropas britânicas finalmente chegaram ao campo, ela estava realizando mais um dos muitos partos.

Naquele dia, enquanto os prisioneiros eram soltos, Gisella ajudou na concepção do primeiro menino judeu nascido em liberdade em Bergen-Belsen. Aquele, contudo, estava longe de ser o fim para a médica.

Uma vez livre, ela descobriu que toda sua família, exceto uma filha que ficou na Romênia, foi morta pelos nazistas. Devastada, Gisella tentou tirar a própria vida, em 1947. Sem êxito, ela foi enviada para um convento francês, a fim de se recuperar.

Fotografia de Gisella Perl já idosa / Crédito: Dominio Público

 

Passado e pesadelo

Mais tarde naquele mesmo ano, a ginecologista mudou-se para os Estados Unidos junto de sua filha, onde foi acusada de crimes de guerra. Quando finalmente teve sua reputação limpa, publicou sua história, em 1948.

Aos 44 anos, Gisella finalmente recebeu sua cidadania norte-americana e passou a trabalhar em um hospital de Nova York. Ela seguiu seu trajeto como ginecologista e tornou-se uma especialista em tratamentos de pessoas inférteis.

Em 1979, a médica migrou para Israel junto de sua filha, onde passou resto de seus dias. Aos 81 anos, dona de uma das histórias mais impressionantes da Segunda Guerra Mundial, Gisella Perl faleceu, em dezembro de 1988.


+Saiba mais sobre os horrores de Auschwitz através das obras disponíveis na Amazon

I Was a Doctor in Auschwitz (Edição em Inglês), de Gisella Perl (2019) - https://amzn.to/2FMNUZN

Os bebês de Auschwitz, Wendy Holden, 2015 - https://amzn.to/32b3ELn

O tatuador de Auschwitz, Heather Morris, 2019 - https://amzn.to/2r5oA9Z

Depois de Auschwitz, Eva Schloss - https://amzn.to/2PHpG5Z

O garoto que seguiu o pai para Auschwitz: Uma história real, Jeremy Dronfield, 2019 - https://amzn.to/2NC1MpM

Resistência, Affinity Konar, 2017 - https://amzn.to/2Nw8C0e

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du