Matérias » Bizarro

Gloomy Sunday: a verdade por trás da canção húngara do suicídio

Escrita pelo pianista Rezsö Seress, a música foi considerada a causa da morte de centenas de pessoas em uma das lendas urbanas mais famosas da década de 1940

Pamela Malva Publicado em 02/09/2020, às 18h30

Retrato do pianista húngaro Rezsö Seress
Retrato do pianista húngaro Rezsö Seress - Divulgação/Youtube

Presente em diversas culturas, a música é uma das manifestações artísticas mais queridas da humanidade. Com diferentes letras e acordes, as melodias têm o poder de influenciar a forma como nos sentimos e, em alguns casos, como nos comportamos.

Intitulada Gloomy Sunday, a composição do pianista húngaro Rezsö Seress é considerada uma das canções mais tristes de sua época. Conhecida pelo ritmo lento e pela letra melancólica, ela foi ligada à diversos boatos na década de 1940.

Foi inspirado nas tragédias da guerra e nos pecados das pessoas a sua volta que Seress criou sua obra, em 1933. Nos anos seguintes, a música passou a ser conhecida como a ‘canção húngara do suicídio’ e chegou a ser proibida na Europa.

Partitura da versão original de Gloomy Sunday / Crédito: Divulgação/Youtube

 

Tristeza e solidão

Morando em Paris, Rezsö Seress sonhava em se estabelecer como compositor. Assim, em 1932, ele começou a rascunhar a letra de Gloomy Sunday. O mundo passava pela Grande Depressão e, como se isso não fosse o suficiente, a Hungria estava sob intensa influência do regime fascista.

Ainda que parecesse preocupado com o futuro da humanidade, muitos especialistas afirmam que a maior preocupação de Rezsö Seress tinha outro nome. Nesse sentido, acredita-se que a grande motivação da letra vinha das melancolias pessoais do artista.

Dessa forma, em 1933, a polêmica Gloomy Sunday surgiu, denunciando as injustiças da humanidade. A versão do húngaro, no entanto, tornou-se obsoleta quando outras surgiram, tratando de diferentes temas, através de outras letras.

Fotografia de Rezsö Seress, o autor de Gloomy Sunday / Crédito: Divulgação/Youtube

 

Amor doloroso

Publicada ainda no mesmo ano de 1933, a letra do poeta László Jávor é a versão mais conhecida de Gloomy Sunday. Para a canção, o homem inspirou-se no término de seu relacionamento e produziu uma música verdadeiramente triste.

Tamanha foi a comoção causada pela melodia, que várias lendas urbanas surgiram a partir da canção. Tudo piorou quando, 35 anos depois de criar a música, Rezsö Seress cometeu suicídio, em 1968.

Para muitos teóricos da conspiração, que já caracterizavam a música como uma canção suicida, esse foi o atestado de que, de fato, a melodia deixava as pessoas transtornadas. Foi assim que deu-se início a uma comoção na Europa.

A sepultura de Rezsö Seress / Crédito: Divulgação/Youtube

 

Tragédia anunciada

Não demorou muito para que, em meados da década de 1940, a sociedade culpasse Gloomy Sunday pelos diversos suicídios cometidos nos países europeus. De Budapeste a Londres, a música teoricamente varria toda a felicidade do mundo e das pessoas.

Em Viena, uma adolescente segurava a partitura da canção quando se afogou. Não muito longe dali, uma mulher teria morrido de overdose, enquanto escutava a trilha em repetição e um homem teria se matado, deixando um bilhete com o nome da música.

Embora as centenas de registros fossem realmente impressionantes, diversos estudiosos sugerem outro motivo para os suicídios. O mundo estava entrando na Segunda Guerra Mundial e muitas pessoas não viam outra saída para a fome e a pobreza que se alastravam pela Europa — isso sem contar a ascensão da Alemanha nazista.

Imagem meramente ilustrativa de tanques japoneses durante a guerra / Crédito: Wikimedia Commons

 

Magia e maldição

Na época dos boatos, contudo, ninguém prestou atenção nas justificativas mais prováveis, já que uma música amaldiçoada era muito mais alarmante. Assim, não demorou até que a canção húngara fosse banida em alguns casos.

A versão da norte-americana Billie Holiday, por exemplo, foi proibida pelas redes de transmissão da BBC. Na época, o gigante grupo de comunicação afirmou que a melancólica letra de Gloomy Sunday era prejudicial à moral durante a guerra — ainda que nenhum estudo tenha comprovado a relação entre a música e os suicídios.

Todas as proibições foram suspensas apenas em 2002 e, hoje, é possível conferir algumas das várias versões da música na internet. Os diversos boatos, inclusive, continuam sendo difundidos e geram mais engajamento a cada publicação.

Cena do longa A Lista de Schindler / Crédito: Divulgação/Youtube

 

Modernidade insólita

Apesar de sua carga negativa, de sua melodia triste e da letra trágica, a música de Rezsö Seress ficou tão famosa que diversos artistas quiseram representá-la. Assim, a canção foi regravada por mais de 90 vezes entre 1935 e 2017.

Em 1993, inclusive, uma das versões da música foi usada na trilha sonora do longa A Lista de Schindler, de Steven Spielberg. Sua existência e a polêmica por trás dela, contudo, divergem opiniões até hoje.

Enquanto, de um lado, muitos entusiastas das artes afirmam que a música é linda e carregada de sentimentos, outros afirmam que ela não passa de uma canção monótona, com letras e acordes deprimentes. A única certeza é de que não, ela não causa suicídios.

Confira a música Gloomy Sunday — que não é amaldiçoada — abaixo:


+ Caro leitor, se você sente que precisa de apoio emocional ou tem percebido sinais de depressão entre em contato gratuitamente com Centro de Valorização da Vida através do número 188. O serviço conta com voluntários treinados para ajudar você da melhor maneira.