Matérias » Cinema

Guiando strippers: a profissão de Brad Pitt antes de se tornar um dos maiores nomes de Hollywood

Perseguindo o caminho do estrelato, o então futuro ator aceitou os empregos que conseguia, e, na maioria das vezes, eles eram extremamente estranhos

Isabela Barreiros, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 24/07/2021, às 08h00

Brad Pitt na edição 92 do Annual Academy Awards at Hollywood em 2020
Brad Pitt na edição 92 do Annual Academy Awards at Hollywood em 2020 - Getty Images

Muitas estrelas de Hollywood que conhecemos por suas impecáveis atuações nem pensavam em entrar no mundo do cinema. Com empregos comuns ou sem a milagrosa chance de brilhar em grandes produções, muitas personalidades, que hoje são tão famosas que seus nomes são conhecidos ao redor do mundo, não tiveram inícios brilhantes. 

Antes de se tornar a figura icônica de ‘Clube da Luta’ (1999), ‘Tróia’ (2004), entre muitos outros filmes conhecidos, Brad Pitt entrou na Universidade de Missouri para se graduar em Jornalismo. No meio do caminho, percebeu que aquela não era a carreira que queria e decidiu abandonar o curso.

No entanto, ao longo do seu caminho para o estrelato, ele passou por empregos, no mínimo, peculiares. Entregador de refrigerante e mascote-galinha de um restaurante são alguns exemplos do que Brad teve que passar para conseguir se manter enquanto tentava ser nada mais nada menos que um ator de Hollywood.

Brad Pitt aceitando prêmio pelo filme 'Era uma Vez em... Hollywood' no Oscar de 2020 / Crédito: Getty Images

 

Ainda assim, outro trabalho do futuro artista chamou a atenção durante uma conversa na mesa redonda do Oscar da Newsweek, em 2007. Pitt chamou o emprego de “estranho” e podemos dizer que ele usou um eufemismo para caracterizar um dos empregos que ele teve antes de ficar famoso.

Novo em Los Angeles em busca dos seus sonhos, Brad relata que precisou aceitar qualquer tipo de trabalho para se manter na cidade. “[Quando precisa], você pega qualquer trabalho que ache um pouco interessante e que te dê oportunidades de fazer testes”, explicou o ator na época, como repercutiu a Rolling Stone Brasil.

Para Pitt, aquela foi uma “introdução estranha à Los Angeles”, cidade conhecida por abrigar as maiores celebridades de Hollywood, além dos impressionantes sets de filmagem. Ainda assim, ele considera que a experiência peculiar também foi “interessante”. 

Um emprego em Los Angeles

Brad Pitt e Jennifer Aniston na pré-estreia de 'Rock Star' em Los Angeles em 2001 / Crédito: Getty Images

 

Durante a entrevista, Brad revelou que um dos empregos que teve foi o de motorista de strippers. “Dirigi por alguns meses. [...] Meu trabalho era levar elas para despedidas de solteiro e coisas do tipo”, explicou o ator.

“Eu as buscava. De vez em quando, elas se escondiam, porque os namorados não sabiam o que elas faziam. Então, você leva elas pros shows, e então precisa pegar o pagamento e recolher as roupas para os caras não roubarem, e ser o DJ”, continuou.

Era um trabalho peculiar, mas fazia parte da atmosfera de Los Angeles. Além disso, o artista também contou que ele recebia muito bem para ser o motorista, algo que provavelmente não muitas pessoas gostariam de fazer.

Ele, inclusive, não aguentou muito tempo no emprego. “Não era uma boa atmosfera, o encanto acaba bem rápido. Ficou muito, muito deprimente, então me demiti depois de dois meses, mesmo sendo uma boa grana que eu precisava na época”, disse.

Embora Brad tenha ficado pouco tempo como motorista de stippers em LA, o emprego foi muito importante para que ele conseguisse contatos no mundo do cinema. Foi a partir desse trabalho que ele passou a perseguir o sonho de atuar com mais afinco. 

“[Conheci uma mulher] e ela disse que estava numa aula com um ator que eu já tinha ouvido o nome. Por isso fui lá conferir. Tinha um homem chamado Roy London, agora já morreu, mas era super, super simpático e me colocou no caminho para hits como ‘Tróia’ (2004), ‘Encontro Marcado (1998)’, entre outros”, revelou o ator.

Com os contatos certos, não demorou muito para que Brad Pitt se tornasse um dos maiores nomes de Hollywood. Hoje, é difícil existir uma pessoa que nunca tenha visto ao menos um de seus trabalhos, que continuam fazendo sucesso com uma carreira longa e persistente no cinema mundial. 


+Saiba mais sobre Hollywood através das grandes obras disponíveis na Amazon:

Hollywood: 131, de Charles Bukowski (1998) - https://amzn.to/2UXDWKe

Cenas de uma revolução: o nascimento da nova Hollywood, de Mark Harris (2011) - https://amzn.to/3c6gqAr

O pacto entre Hollywood e o nazismo: Como o cinema americano colaborou com a Alemanha de Hitler, de Ben Urwand (2019) - https://amzn.to/2ViwOqO

Hollywood Babylon: The Legendary Underground Classic of Hollywood's Darkest and Best Kept Secrets (Edição Inglês), de Kenneth Anger (1981) - https://amzn.to/2RurMWU

O livro do cinema, de Vários autores (2017) - https://amzn.to/2VeOS52

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W