Matérias » Brasil

Marquesa de Santos e Imperatriz Leopoldina: As vítimas de dom Pedro I

O lado bom da amante do imperador, o lado ruim da imperatriz quase santa. Ambas injustiçadas pelo amor do mesmo homem

Redação Publicado em 09/09/2019, às 16h30

None
- Reprodução

Marquesa de santos

Crédito: Reprodução

 

Divorciada, tornou-se amante do imperador e conseguiu convencê-lo a conceder alguns privilégios e a exibir sua relação publicamente, levando a uma crise que terminaria com a abdicação.

Foi vítima de violência doméstica. Seu primeiro marido chegou a esfaqueá-la em praça pública. Diante disso, numa atitude à frente do seu tempo pediu o divórcio. Já era amante do imperador dom Pedro I quando o pedido foi concedido.

Foi tão traída pelo incorrigível imperador quanto a imperatriz Leopoldina também foi. Pedro chegou a ter um romance com sua irmã – que gerou um filho. Ao fim de seu romance, voltou a São Paulo. Casariase com o major Tobias de Aguiar, envolvido na Revolta Liberal de 1842. Quando foi preso, manteve-se fiel, apesar dos riscos.

Em sua nova fase, seria uma figura importante da sociedade paulistana, protegendo estudantes e artistas e promovendo saraus em seu solar. Morreu vista como patrona das artes e da educação na cidade de São Paulo. Também dedicou-se a obras filantrópicas, protegendo pobres e indigentes.

Imperatriz Leopoldina

Crédito: Reprodução

 

Foi uma mártir e quase santa. Esposa austríaca de dom Pedro I, mãe exemplar, sofreu com os destemperos e infidelidades do imperador e morreu cedo, grávida – segundo os boatos da época, após ser vítima de violência doméstica pelo exaltado marido.

Seu casamento foi parte do jogo de poder da dinastia Habsburgo da Áustria. Por meio de casamentos, eles queriam ter um tentáculo em todas as famílias reais europeias, sutilmente influenciando a política mundial. Com isso, a família esperava que ela se tornasse rainha de Portugal.

Condescendente com o imperador. Em suas correspondências, fala do marido praticamente como uma marionete a ser movida por ela na direção desejada – o rompimento com Portugal e a independência do Brasil.

Era ciumenta. Isso seria normal para qualquer mulher moderna em sua situação, mas não é o que se esperava de uma rainha, pois infidelidade era de hábito entre nobres casados por conveniência. Seus escritos passam a impressão de que tinha mais ciúme da influência política que sentimental da Marquesa.

Ainda que fosse 100% pró-independência, não deixava de ter certo desprezo arrogante pelo país, onde ela dizia governar a “Santa Ignorância”.