Matérias » Ditadura militar

Golpe de 64: o Brasil vivia na "sombra do comunismo"?

Jango era acusado de ser comunista, todavia, a ideologia estava longe de seus planos. Entenda!

Isabela Barreiros Publicado em 07/09/2020, às 21h07

Tanques em Brasília durante a ditadura
Tanques em Brasília durante a ditadura - Wikimedia Commons

Quando Jânio Quadros renunciou à presidência do Brasil em 1961, o cenário político já era de caos. Mas assim que João Goulart, seu vice, assumiu a cadeira, os setores conservadores da sociedade, o partido UDN (União Democrática Nacional), do político opositor a Getúlio Vargas, Carlos Lacerda, e grande parte dos militares não ficaram felizes com a novidade.

A polarização da sociedade brasileira já estava em um patamar alto, que persistia na política há aproximadamente 20 anos. Essa cisão ideológica aumentou quando Jango, apoiado por inúmeros setores populares, iniciou o processo de continuação do nacional-desenvolvimentista de Getúlio Vargas.

No artigo O projeto de nação do governo João Goulart: o Plano Trienal e as Reformas de Base (1961-1964), o pós-doutorando em História Política pela UFF, Cássio Silva Moreira, analisa que o projeto econômico e social de Jango estava “focado na substituição de importações de bens intermediários e de capital e nas reformas estruturais – as chamadas Reformas de Base”.

Segundo o autor, o ano de 1964 marcou uma divisão clara entre dois projetos para o país: de um lado estava o nacional-desenvolvimentismo de Jango e, do outro, “o desenvolvimentismo associado-dependente, que tinha como agente principal o capital estrangeiro para a construção do capitalismo no Brasil”.

Jango / Crédito: Wikimedia Commons

 

Moreira diz que as Reformas de Base de Goulart tinham como intuito o “fortalecimento do papel do estado e redistribuição de renda, garantindo a consolidação e ampliação do mercado interno e um crescimento econômico mais equilibrado”. Com essa guinada a um nacionalismo de esquerda, Jango já era acusado de ser comunista — mesmo que a ideologia estivesse longe de seus planos.

O marxismo visa à extinção da propriedade privada, a partir de uma revolução socialista que colocaria fim ao capitalismo. O ex-presidente não parecia tão interessado nesse objetivo. Além de estar mais próximo aos ideais trabalhistas, ele era um grande proprietário de terras no Rio Grande do Sul.

Seu partido também estava longe do comunismo. O PTB foi criado por Vargas no intuito de tirar dos comunistas os votos de trabalhadores urbanos. Eles não falavam de luta de classes nem de fim do capitalismo, apenas faziam parte do que alguns especialistas chamam de “esquerda moderada”.

“Muitos atores da época acreditaram existir uma ameaça vermelha, mas, com frequência, não tinham visão clara sobre o significado de comunismo, às vezes confundiam-no vagamente com qualquer proposta de esquerda ou mesmo tentativa de reforma social. No entanto, muitas lideranças sabiam perfeitamente que o comunismo não estava no horizonte, mas manipularam o medo para engrossar a oposição ao governo Goulart”, explica Rodrigo Patto Sá Motta, doutor em História pela USP e professor na UFMG, em entrevista para o portal Agência Pública.

Manifestação do ano de 1964 / Crédito: Wikimedia Commons

 

A guerrilha armada e o suposto armamento das Ligas Camponesas faziam parte dessa narrativa anticomunista que passou a circular com afinco durante o governo do petebista. A ameaça de um Golpe Comunista não fazia sentido em 1964.

Segundo Motta, “existe uma estratégia discursiva de generalizar o rótulo comunista para aumentar a gravidade ou a sensação de perigo em relação a certas mudanças sociais que incomodam a opinião conservadora”. Para ele, o medo pode fazer com que muitas pessoas aceitem intervenções autoritárias.

E as lideranças conservadoras conseguiram muito bem captar essa insegurança. Além de conter uma escalada radical que tinha como objetivo trazer benefícios à população mais pobre, — sem uma revolução comunista, — eles conseguiram instalar uma ditadura civil-militar no Brasil. Jango nem o PTB eram comunistas, os brasileiros não sofriam com uma ameaça vermelha, e o país não se tornaria uma nova Cuba.


+Saiba mais sobre a ditadura militar por meio das obras disponíveis na Amazon

O que é isso, companheiro?, Fernando Gabeira (2017) - https://amzn.to/2LvYt3c

Ditadura à brasileira: 1964-1985 a democracia golpeada à esquerda e à direita, Marco Antonio Villa (2014) - https://amzn.to/33PPGj6

Nos idos de março: A ditadura militar na voz de 18 autores brasileiros, Luiz Ruffato (2013) - https://amzn.to/2s01Cl2

A Ditadura Envergonhada - Volume 1, Elio Gaspari (2015) - https://amzn.to/2E3CZXy

A Casa da Vovó: Uma biografia do DOI-Codi (1969-1991), o centro de sequestro, tortura e morte da ditadura militar, Marcelo Godoy (2015) - https://amzn.to/2P3RdxU

Nos idos de março: A ditadura militar na voz de 18 autores brasileiros, Luiz Ruffato (2013) - https://amzn.to/2PtwbHT

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du