Matérias » Personagem

Isadora Duncan, a grande dançarina que morreu por causa de seu cachecol

Atéia, bissexual e inventora da dança moderna, Duncan acabou falecendo de maneira insólita

Joseane Pereira Publicado em 05/01/2020, às 08h00

Isadora Duncan por volta de 1900
Isadora Duncan por volta de 1900 - Getty Images

Nascida em 1877 na cidade de San Francisco, Estados Unidos, Isadora Duncan marcou a história da dança: inovando por não seguir regras formais ou técnicas rígidas de balé, ela abriu as portas para o que chamamos hoje de dança contemporânea. Entretanto, Duncan teve um final trágico: passeando de carro aos 50 anos, ela acabou enrolando seu lenço de pescoço nas rodas do veículo, o que a levou à morte.

Trajetória

Isadora Duncan em 1927 / Crédito: Getty Images

 

Duncan via a dança como uma forma natural de expressão do espírito humano. Inspirando seus movimentos na arte da Grécia Antiga, ela se mudou para Londres aos 21 anos, após tentativas fracassadas de fazer carreira nos Estados Unidos. Lá, ganhou o suficiente para alugar um estúdio de dança, e logo foi convidada pela atriz e dançarina Loie Fuller para uma turnê pela Europa.

A artista tinha como missão compartilhar sua filosofia da dança e liberdade de expressão. Para isso, ela abriu escolas onde ensinava sua técnica a jovens alunas: a primeira foi inaugurada em Berlim-Grunewald, Alemanha, em 1904, e suas seis alunas ficaram conhecidas como as "Isadorables".

Além da dança, as roupas de Duncan também eram inovadoras: ao contrário das dançarinas de Balé tradicional, ela se movia com tecidos leves e esvoaçantes, que davam sensação de conforto. E o fato de ela se autodeclarar atéia, simpatizante comunista e bissexual também chamava muita atenção do público.

Duncan performando com colegas à beira do mar / Crédito: Getty Images

 

Sua fama ganhou repercussão mundial, e a artista chegou a ser descrita pelo ocultista britânico Aleister Crowley da seguinte forma: “Isadora Duncan tem esse dom de gesto em um nível muito alto. Estude sua dança, se possível em privado e em público, e aprenda a soberba 'inconsciência' - que é a consciência mágica - com a qual ela adapta a ação à melodia.”

Terrível acidente

Duncan teve dois filhos, um em 1906 com o designer de teatro Gordon Craig e o outro em 1910, com Paris Singer. As crianças acabaram morrendo afogadas em 1913 junto à babá, em um acidente de carro no rio Sena, na França - evento do qual a artista nunca se recuperou. E um automóvel também levaria ela mesma à morte.

No ano de 1927, Isadora andava de carro com alguns amigos em Nice, vestindo um lenço de seda esvoaçante pintado à mão pelo artista Roman Chatov. Seu lenço acidentalmente se enroscou nas rodas do automóvel, arremessando a artista e fazendo-a quebrar o pescoço. Levada ao hospital, Isadora faleceu logo depois, e suas cinzas foram colocadas ao lado dos filhos no cemitério Père Lachaise, em Paris.


+Saiba mais sobre Isadora Duncan através das obras abaixo:

1. Isadora. Fragmentos Autobiograficos, de Isadora Duncan (1997) - https://amzn.to/2rWGXig

2. Minha vida, de Isadora Duncan (2012) - https://amzn.to/2Fh3xoD

3. The Book of Extraordinary Deaths: True Accounts of Ill-Fated Lives, de Cecilia Ruiz (2018) - https://amzn.to/2QEUuDk

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.