Matérias » Entretenimento

Mulher maravilha brasileira: Conheça Yara Flor, a nova heroína da DC

Nos novos quadrinhos Future State, a DC Comics apostou em personagens com mais variedade — o resultado disso é que teremos uma conterrânea nossa na Liga da Justiça

Ingredi Brunato Publicado em 21/11/2020, às 08h30 - Atualizado às 09h00

Fotografia de Yara Flor
Fotografia de Yara Flor - Divulgação / DC

A DC Comics está em constante expansão de seu universo, e os últimos projetos nesse sentido tem apostado ainda mais na diversificação de seus heróis, para dar rostos e culturas diferentes para os personagens icônicos. Foi nessa onda de representatividade que veio a Yara Flor, uma Mulher Maravilhabrasileira que além de ter seus próprios quadrinhos pode até ganhar sua própria série. 

De acordo com o portal de entretenimento Deadline, o canal de televisão norte-americano CW estaria fazendo uma parceria com a DC para desenvolver a série. A selecionada como produtora executiva seria ainda Dailyn Rodriguez, uma roteirista filha de imigrantes cubanos — uma escolha que também é sintonizada com a super-heroína, que seria uma imigrante brasileira morando nos Estados Unidos. 

Enquanto essa produção cinematográfica ainda não tem previsão de lançamento, os quadrinhos, por outro lado, já estão pertinho de sua data de chegada às mãos do público, no início de 2021. 

Yara Flor será parte da leva de personagens que habitarão o Futuro State, uma nova ampliação do universo da DC que traz um conjunto de histórias ambientadas em 2030, um futuro relativamente próximo, e brinca com o conceito de contrastar a Liga da Justiça clássica com uma versão moderna. 

Fotografia mostrando personagens de Future State / Crédito: Divulgação/ DC

 

Nova princesa das amazonas 

Segundo o editor das histórias do Superman, Jamie S. Rich, que deu uma entrevista ao site IGN, seriam as raízes da heroína brasileira que a tornam uma Mulher Maravilha atualizada para a modernidade: “Yara tem alguma ligação com as amazonas, e parte do que vamos descobrir na origem dela é o que ativa sua posição, o que a torna Mulher Maravilha nesta época". 

Diana Prince, que carregou o título originalmente, também terá algumas aparições. A icônica justiceira teria sido a última sobrevivente do que ficou conhecido como “Era de Ouro dos Heróis”, o que também se encaixa na aura de nostalgia com a qual o personagem é visto atualmente. 

A presença de heróis clássicos, aliás, não se limitará à Diana. Na série de quadrinhos Future State — cujos capítulos serão lançados durante dois meses — os personagens das duas Ligas da Justiça tem sua chance de brilhar. 

Mulher maravilha clássica / Crédito: Divulgação/ DC

 

Até porque, para comparar Superman, Mulher Maravilha, Batman e outros com seus sucessores, pode ser útil primeiro relembrá-los em ação. A atitude também faz sentido do ponto de vista da audiência que a DC Comics espera atrair para os novos quadrinhos, que seria uma mais ampla e não necessariamente familiarizada com as histórias antigas. 

Personalidade

Se para os fãs do universo geek a novidade já chama atenção, para os fãs brasileiros é ainda mais significativo, por definir que agora temos uma conterrânea na Liga da Justiça. Claro que imediatamente surge a curiosidade sobre como será nossa representante dentro dos quadrinhos da DC. 

Também segundo Jamie S. Rich, Yara Flor seria o exato oposto de Diana em mais de um aspecto, o que desperta a expectativa de dinâmicas diferentes das presentes nas histórias protagonizadas pela antiga Mulher Maravilha

"A humanidade de Yara ainda está intacta e isso é muito importante. Diana Prince é uma deusa, então ela está sempre um pouco acima de nós. Esta é uma chance de voltar às raízes iniciais da Mulher-Maravilha, quando Diana estava tentando aprender a ser humana. Agora estamos indo na direção oposta — como uma humana aprende a ser uma deusa?", contou o editor de Superman.


+Saiba mais sobre histórias em quadrinhos por meio dos livros a seguir:

Superman. Entre a Foice e o Martelo, Mark Millar e Dave Johnson (2017) - https://amzn.to/378bVDx

Superman: Red Son (Inglês), Mark Millar e Dave Johnson (2014) - https://amzn.to/2XbTfyo

The Communist Manifesto Illustrated: All Four Parts, Karl Marx e Friedrich Engels (2016) - https://amzn.to/2O9cUea

Marxism: A Graphic History (Inglês), Rupert Woodfin e Oscar Zarate (2018) - https://amzn.to/2KkDUWQ

Marx's Capital Illustrated (Inglês), David N. Smith e Phil Evans (2016) - https://amzn.to/33XN6sl

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W