Matérias » Personagem

Narcisista e fracassado, Johnny Bravo divertiu uma geração, mas nunca foi alguém para se espelhar

Grande parte das risadas que dávamos com o icônico personagem se davam pela sua inconveniência, que costumavam ser recompensadas com recorrentes fracassos

Vinícius Buono Publicado em 08/08/2019, às 17h00

None
- Crédito: Reprodução

Quem cresceu no final dos anos 90 ou no começo dos anos 2000 provavelmente se lembra de Johnny Bravo. Um dos maiores desenhos animados da época, as trapalhadas do protagonista marcaram o imaginário popular: um rapaz loiro, alto, forte, extremamente narcisista, ególatra e mulherengo, mesmo sendo sempre rejeitado das piores maneiras possíveis pelas mulheres com quem flertava, graças, principalmente, à maneira inapropriada que agia.

O desenho voltou aos holofotes nessa semana quando o presidente Jair Bolsonaro comparou-se ao personagem.

Foi uma animação bem sucedida, exibida de 1995 a 2004. Grande parte da comicidade se dava pelo personagem-título corresponder a um estereótipo de padrão de beleza e, mesmo assim, ser um fracassado de primeira. 

Johnny Bravo com certeza marcou uma época e uma geração, mas ele nunca foi um modelo de como alguém deve ser ou agir, e a maioria dos seus telespectadores, ainda que em tenra idade, já percebia isso. Ainda assim, só para reforçar, listamos algumas vezes em que o personagem foi completamente inapropriado.

As cantadas péssimas e inconvenientes...

Uma das características mais marcantes — e piada recorrente — ao longo do desenho são as cantadas horríveis de Johnny para qualquer mulher que cruza seu caminho. Além de péssimas elas chegam, muitas vezes, a ser completamente inapropriadas. Como quando ele chega para uma moça e pergunta se ela quer cheirá-lo, ou quando diz para outra: “eu sou bonito, você é bonita. Vamos lá pra casa ficar nos olhando?”. Quem em sã consciência iria querer se parecer com esse cara?

...Que, ao menos uma vez, deram certo

Logo em um dos primeiros episódios, chamado A Ilha das Mulheres Bonitas, Johnny Bravo vai parar numa ilha habitada por amazonas. Elas o capturam e o oferecem como um sacrifício virgem ao vulcão do lugar. A situação parece não incomodar Johnny, mas a fala da amazona sim, e ele diz para a câmera: “Ela disse virgem?”, e o vulcão rejeita o sacrifício, indicando que, de fato, ele não é puro. Uma piada ácida que muitas pessoas passaram batidas na infância.

Masculinidade frágil

Um dos pontos onde o desenho é bem realista se dá quando a fragilidade do protagonista acerca de sua sexualidade é destacada. Apesar de se fazer de durão o tempo todo, Johnny fica muito incomodado quando ele está lendo uma revista de modelos masculinos e uma garota chama a atenção do pessoal ao redor para o fato. Ele se defende, dizendo que quer parecer com eles e não olhar para eles.

Voltando ao episódio das amazonas; ao ser rejeitado pelo vulcão, Johnny é catapultado para longe e cai na Ilha dos Homens Bonitos, que o chamam para nadar com eles. O episódio termina com uma das típicas reações do personagem: olhando para câmera e erguendo uma sobrancelha sobre os óculos escuros que nunca tira, indicando desconforto com a ideia de estar na companhia daqueles homens em trajes de banho.

Uma das reações recorrentes de Johnny. Créditos: Reprodução

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quando ele chama a polícia por ser bonito demais

Johnny olha no espelho e, alarmado, pergunta quem é aquele homem bonito. Então, ele pega o telefone e liga para a polícia, dizendo: “Tem um cara gato na minha casa! Ah, espera, sou só eu”. É a típica representação do que é o personagem: extremamente narcisista e inconveniente. 

Ele pede a sua vizinha que ligue de novo quando for mais velha

A personagem Suzy, vizinha de Johnny, tem uma queda enorme por ele. Não correspondida, claro, porque ela ainda é pequena (apesar de ser infinitamente mais inteligente do que ele, o que também é usado com efeito cômico). Assim, no episódio Johnny Conhece Farrah Fawcett, ela liga para convidá-lo para o aniversário dela, mas recebe uma recusa. Ele diz: “estou ocupado, me ligue daqui uns 15 anos quando você estiver estudando”. No fim, Johnny acaba indo à festa para encontrar com a prima de Suzy, a famosa atriz Farrah Fawcett.

Há duas décadas, ele já tirava selfies. Crédito: Reprodução

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Johnny pergunta a uma adolescente, por telefone, o que ela está vestindo

Johnny arruma um emprego em um telemarketing que ajuda adolescentes problemáticos. Ele atende uma ligação de uma menina triste por ter terminado com o namorado e, além de perguntar o motivo, ele rapidamente emenda com um “o que você está vestindo?”. Naturalmente, ele é expulso das premissas por seus superiores.

Só seis segundos de consciência

No episódio O Corredor dos Brinquedos, um brinquedo que é um híbrido entre míssil e cubo mágico é resolvido, ele espeta um dardo em Johnny e anuncia que ele só tem seis segundos de consciência, recomendando que aproveite com sabedoria. O episódio termina, então, com Johnny bem feliz enquanto olha uma revista de mulheres de biquíni.