Matérias » Personagem

O controverso Chico Diabo, militar gaúcho que matou o ditador Solano López

Apresentado à violência desde muito jovem, Francisco Lacerda lutou na Guerra do Paraguai e, pelo feito, consagrou-se um herói

Pamela Malva Publicado em 05/09/2020, às 08h00 - Atualizado às 10h00

Ilustração de Chico Diabo com sua lança em mãos
Ilustração de Chico Diabo com sua lança em mãos - Wikimedia Commons

Existem histórias que, dependendo de como são contadas, passam por diferentes interpretações. Enquanto, em um contexto, alguém possa parecer bom, em outro, a índole da mesma personagem ganha distintas proporções.

Esse é o caso de José Francisco Lacerda, ou Chico Diabo. Eternizado pela história militar brasileira, o gaúcho é comumente considerado um herói nacional. Quando sua lenda é contada por paraguaios, contudo, as coisas mudam um pouco de figura.

Conhecido como o responsável pela morte de Francisco Solano López, o soldado brasileiro é considerado um grande vilão no imaginário do Paraguai. Mas não se engane: por aqui, muita gente o considera um homem interesseiro.

Gravura do ditador Francisco Solano López / Crédito: Wikimedia Commons

 

Infância e violência

Nascido em Camaquã, um município do Rio Grande do Sul, em 1848, Francisco Lacerda era um menino brincalhão, vindo de uma família muito pobre. A condição econômica, inclusive, fez com que ele começasse a trabalhar muito cedo.

Aos precoces 15 anos, Chico foi apresentado ao mundo da violência quando deixou que um cachorro entrasse na carniçaria onde trabalhava. Furioso com os prejuízos, o patrão do menino, um italiano rígido, começou a espancá-lo.

Reza a lenda que, desesperado e lutando pela própria vida, Chico agarrou uma faca e matou seu chefe. Jovem e amedrontado, ele correu para casa e, quando estava subindo a rua, foi reconhecido pela mãe, que o chamou de diabinho.

Chico Diabo (o terceiro em pé, da esqueda para a direita) e seus companheiros / Crédito: Wikimedia Commons

 

Diabo bate à porta

Mesmo em meio a um contexto tão terrível, o apelido se espalhou e o menino logo tornou-se Chico Diabo. Com medo das consequências do assassinato, no entanto, o jovem foi enviado para a propriedade de seu tio Vicente Lacerda, em Bagé.

Não demorou muito até que Chico entrasse no universo militar, em 1865. Na ocasião, os Voluntários da Pátria visitaram a casa de Vicente e, convidado pelo coronel Joca Tavares, o jovem gaúcho aceitou fazer parte do pelotão.

Anos mais tarde, em meados de 1870, o soldado e seus companheiros foram enviados até a Guerra do Paraguai. Durante o conflito, Chico foi promovido a cabo e, logo em seguida, lutou na Batalha de Cerro Corá, cujo desfecho o consagrou como herói.

Última fotografia de Francisco Solano López, em 1870 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Lanças e revólveres

Em meio ao terrível embate, enquanto cavalos galopavam por um lado e facas brandiam pelo outro, Chico Diabo acertou um golpe fatal. Sua lança, comprida e afiada, havia perfurado a carne do ditador Francisco Solano López.

Como se não fosse o suficiente, o gaúcho João Soares ainda alvejou o oponente com seu revólver. Aquele era o fim do homem que, para o Paraguai, era um herói nacional e, para o Brasil, não se passava de um líder sanguinário.

Diversas teorias surgiram após o fim do conflito, dizendo que Chico Diabo teria descumprido ordens ao matar Solano. Outras fontes, entretanto, indicam que havia uma recompensa de cem libras de ouro para quem acabasse com o ditador.

Momento em que Chico acerta Solano com sua grande lança / Crédito: Wikimedia Commons

 

História contada

Pelo considerado grande feito, Chico Diabo recebeu cem cabeças de gado e reivindicou a faca que Solano usava no dia do combate. Em 1871, o gaúcho voltou para o Brasil e casou-se com sua prima, com quem formou uma família — cujos membros vivem até hoje e, na tradição oral do Sul, crescem escutando a história do homem.

“Não vejo ele como herói”, explicou a tataraneta de Chico, Carmen Lacerda Vargas, ao G1, em 2014. “Acho que ele queria o dinheiro [da recompensa pela cabeça de Solano], na verdade. Mas também não acho que ele tenha sido o vilão da história.”

O fim da figura chegou apenas em 1893, quando ele prestava serviços para Joca Tavares no Uruguai. Boa ou má, sobre um vilão ou um herói, estava terminada a narrativa de Chico Diabo, o homem que ficou marcado na história brasileira.


+Saiba mais sobre a Guerra do Paraguai através de obras disponíveis na Amazon:

A Guerra do Paraguai, Luiz Octavio De Lima (2016) - https://amzn.to/2NlzNdP

A guerra é nossa - a Inglaterra não provocou a guerra do Paraguai, Alfredo Da Mota Menezes (2012) - https://amzn.to/2olFPTk

Uma Nova História da Guerra do Paraguai, Nigel Cawthorne (2015) - https://amzn.to/2WvxOIp

Revisando a Revisão. Genocídio Americano. A Guerra do Paraguai, Silvânia de Queiróz (2014) - https://amzn.to/36apjXs

The Grandchildren of Solano López: Frontier and Nation in Paraguay, 1904–1936, Bridget María Chesterton (e-book) - https://amzn.to/2Ju5z7g

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W