Matérias » Personagem

Lançado há 75 anos, o Diário de Anne Frank é um espelho para a sociedade

Relembre a entrevista exclusiva com Carlos Reiss, Coordenador-Geral do Museu do Holocausto de Curitiba, sobre a importância da obra para o contexto histórico

Fabio Previdelli Publicado em 31/01/2021, às 00h00 - Atualizado em 17/01/2022, às 11h08

Imagem do diário de Anne Frank
Imagem do diário de Anne Frank - Getty Images

Quando falamos em obras e registros históricos que remetem ao Holocausto, é praticamente impossível não citarmos O Diário de Anne Frank. Afinal, não é pra menos, o livro escrito pela jovem judia, lançado em 1947, é um dos mais vendidos do mundo: cerca de 30 milhões de cópias que foram adaptadas em 70 idiomas diferentes.  

Nesta segunda-feira, 17, fora repercutido pela mídia internacional que uma investigação pode ter finalmente descoberto a identidade da pessoa que entregou Anne Frank e seus familiares aos nazistas durante a Segunda Guerra. Com isso, muitos relembram a importância do diário escrito pela jovem em um momento de dor. 

Para Carlos Reiss, Coordenador-Geral do Museu do Holocausto de Curitiba, em entrevista exclusiva ao site Aventuras na História, O Diário de Anne Frank não pode ser analisado apenas como um produto literário, ou seja, uma obra desprovida de contexto histórico.

“A riqueza do livro está tanto no perfil da autora quanto na possibilidade de nos identificarmos, de gerar empatia, de desenvolver a alteridade”. 

Anne Frank Center EUA em 2012 / Crédito: Getty Images

 

Segundo estima a Enciclopédia do Holocausto, do United States Holocaust Memorial Museum (USHMM), cerca de 6 milhões de judeus foram mortos durante a Segunda Guerra. Mas o que torna o diário de Anne tão lembrado ainda hoje? 

Tamanho da tragédia

Segundo o Coordenador-Geral do Museu do Holocausto de Curitiba, os relatos de Frank explodiram no circuito literário mundial em um momento em que a memória do Holocausto ainda vivia uma fase difícil de massificação e pouca personificação.  

Páginas do diário de Anne Frank / Crédito: Getty Images

 

“Era os anos 50, um momento em que era importante mostrar ao mundo a dimensão do que foi o Holocausto, o tamanho da tragédia, a extensão, a grandeza do extermínio — e isso inclui o número de vítimas”, explica.  

Foi nessa época, inclusive, que o assustador número de 6 milhões de judeus mortos passou a ser conhecido e divulgado.

Foi quando os primeiros museus passaram a representar os horrores da Segunda Guerra por meio do choque de quantidade, mostrando as pilhas de roupas, sapatos, enfim, os mais diversos assessórios usados pelos judeus.  

“Existe nesse fenômeno do Diário de Anne Frank um componente que era o talento e a forma com que ela escrevia. Um estilo que nos aproxima, que acaba gerando uma empatia incrível com qualquer jovem, em qualquer parte do mundo”, diz Carlos, que também credita ao pai de Anne, Otto, uma taxa pelo sucesso do livro da filha.  

Otto Frank teve importância ao buscar e costurar os acordos com as editoras, investir pesado, levar a obra para os Estados Unidos, se aproximar de figuras relevantes que escreveram prefácios, críticas, enfim... E o livro se tornou um best-seller", completa. 

Naquele momento, o mundo — que estava acostumado a lidar com as vítimas do Holocausto como números — começou a passar por um longo, lento e difícil processo de personificá-las, o que dura até hoje. “O rosto da Anne Frank foi um dos primeiros a se sobressair”. 

Ensinamentos necessários 

Para Reiss, O Diário de Anne Frank ainda é extremamente atual, oferecendo um relato genuíno e humano de uma menina que cresceu em meio a um contexto tão desumano e inimaginável para as futuras gerações.

Porém, mesmo assim, continuou escrevendo de maneira tão apaixonante, demonstrando quase que um talento natural para um de seus grandes sonhos: ser jornalista. 

Foto de Anne Frank / Crédito: Wikimedia Commons

 

“Por isso é tão fácil se identificar com ela”, fala Carlos Reiss. “Os jovens que leem o diário reconhecem a voz dela, reconhecem seus pensamentos, seus desejos. O Diário é um espelho para a sociedade, para qualquer geração de jovens, de qualquer época, e é por isso que se transformou nesse fenômeno que é praticamente inesgotável — também no Brasil”, conclui.


+Saiba mais sobre a Anne Frank por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

O diário de Anne Frank, de Anne Frank (1995) - https://amzn.to/2JR6kqQ

Anne Frank: Obra reunida, de Anne Frank (2019) - https://amzn.to/3c2DPCU

O diário de Anne Frank em quadrinhos, de Ari Folman e David Polonsky (2017) - https://amzn.to/2VbgbgC

Tudo sobre Anne, de Casa de Anne Frank (2019) - https://amzn.to/39V3QSU

Anne Frank ― A biografia ilustrada, de Sid Jacobson (2017) - https://amzn.to/3aVlszl

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W