Matérias » China

O Rebelde Desconhecido: As pistas sobre a identidade do homem que desafiou o exército chinês

O momento em que um jovem se posicionou à frente de tanques de guerra durante um protesto do movimento estudantil em 1989 foi registrado e se tornou um grande marco na história

Giovanna Gomes Publicado em 01/12/2020, às 10h53 - Atualizado às 16h42

Lendária fotografia de rapaz jovem parando em frente a fila de tanques
Lendária fotografia de rapaz jovem parando em frente a fila de tanques - Divulgação

No ano de 1989, um fotógrafo registrou uma cena que viria a ser uma das mais conhecidas durante as próximas décadas: o momento em que um homem se posiciona à frente de uma fila de tanques de guerra durante um protesto do movimento estudantil na Praça da Paz Celestial, em Pequim.

Carregando sacolas de supermercado, ele desafia tanques de guerra, enquanto tiros ecoam por toda parte. Registrado em foto e vídeo pelo fotógrafo Jeff Widener no dia 5 de junho de 1989, o ato de resistência se tornou símbolo do que ficou conhecido como Massacre da Praça da Paz Celestial.

Nas noites de 3 e 4 de junho, o governo chinês realizou uma ofensiva contra estudantes universitários e manifestantes que protestavam em caminhadas pacíficas pelas ruas de Pequim. 

O episódio se tornou um símbolo da luta pela democracia. Contudo, mesmo após tantos anos, a foto ainda carrega um grande mistério: quem era aquele jovem chinês e o que aconteceu com ele?

Momento histórico

O fotógrafo Jeff Widener, autor da foto mais famosa do incidente, concorreu ao Prêmio Pulitzer por "O Rebelde Desconhecido de Tiananmen" e recebeu diversos prêmios.

Contudo, nunca se soube acerca da verdadeira identidade, nem o que aconteceu com o homem que desafiou as forças armadas da China. Ainda assim, a revista "Time" apontou o "homem do tanque" como uma das cem pessoas mais influentes do século 20.

Praça da Paz Celestial/ Crédito: Wikimedia Commons

 

Porém, a foto, como tudo que é ligado ao massacre da praça da Paz Celestial, é censurada pelo governo da China, de modo que muitos jovens chineses nunca chegaram a vê-la. 

Contexto da foto

Estima-se que milhares de chineses foram presos ou mortos por terem participado de um protesto pacífico pela democracia no dia 4 de junho de 1989, na Praça da Paz Celestial. “Muitos deles foram sentenciados à prisão perpétua ou executados — não se sabe se o homem do tanque estava entre eles”, declarou a jornalista Lily Kuo em um artigo no site Quartz.

No dia do Massacre / Crédito: Divulgação

 

Foi no dia seguinte, 5 de junho, que ocorreu o momento registrado por Widener. Um homem permaneceu na frente dos tanques do exército por minutos até ser expulso do local. Alguns meses depois, naquele mesmo ano, ocorreu a queda do Muro de Berlim, simbolizando, assim, o fim de uma era.

Pistas

Por mais que a foto de Widener tenha se tornado famosa, nenhuma agência de notícias ou organização de direitos humanos conseguiu apontar com certeza o quem era e o que pode ter ocorrido com o "homem do tanque".

Quase um ano após o protesto na Praça da Paz Celestial, em Pequim, a agência de notícias Associated Press revelou que havia grandes chances do homem ter sido preso e executado após o momento registrado.

Na mesma época, o jornal britânico The Mirror afirmava ter descoberto a identidade do rebelde. Seu nome seria Wang Weilin, que teria 19 anos de idade. No entanto, a informação nunca foi confirmada.

Deng Xiaoping governava a China à época do massacre/ Crédito: Wikimedia Commons

 

No ano de 2006, o Sunday Express publicou uma reportagem afirmando que WangWeilin seria um arqueólogo que teria fugido para Taiwan após o ocorrido. Como nunca foi confirmado que o homem apontado é de fato o Rebelde Desconhecido, a reportagem não ganhou repercussão.

Apesar das inúmeras tentativas de identificar o homem do tanque, de acordo com documentos oficiais obtidos pela organização Information Centre for Human Rights and Democracy, de Hong Kong, o governo nunca teria conseguido identificar o homem. 


+Saiba mais sobre a China por meio das obras disponíveis na Amazon:

Mao's War Against Nature: Politics and the Environment in Revolutionary China, de Judith Shapiro (2001) - https://amzn.to/2Hmnv2o

Mao: A história desconhecida, de Jon Halliday e Jung Chang (e-book) - https://amzn.to/2oXZskY

A Extraordinária História da China, de Sérgio Pereira Couto (e-book) - https://amzn.to/2sPnOPN

The Archaeology of Early China: From Prehistory to the Han Dynasty (Edição Inglês), de Gideon Shelach-Lavi (e-book) - https://amzn.to/35ts58I

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/3b6Kk7du