Matérias » África

Você sabe quantas etnias existem na África?

Durante os processos de colonização, grupos étnicos foram desestruturados e incorporados a territórios nacionais

Joseane Pereira Publicado em 04/04/2019, às 07h00

Menino Karo, sul da Etiópia
Menino Karo, sul da Etiópia - Reprodução

Largamente utilizado em estudos de Antropologia, o termo "etnia" caracteriza um grupo unido por laços linguísticos, religiosos e éticos, que reproduz sua cultura aos descendentes e ocupa territórios que possibilitam a continuidade de suas relações sociais. Todos os povos humanos são grupos étnicos, apesar de geralmente atribuirmos essa noção a grupos marginalizados como negros, indígenas e quilombolas, por conta de nossa herança colonial. Um exemplo disso é a caracterização de roupas com padrões "tribais" que remetem ao território africano como "roupas étnicas".

Entender esse termo nos leva à compreensão de uma palavra ainda mais importante: Etnocentrismo. Ser etnocêntrico é considerar sua própria cultura como a melhor, mais desenvolvida, mais tecnológica dentre todas as outras. É observar os padrões culturais do outro sob o espectro da falta, onde "o que não é igual a mim está errado". Se observarmos bem, todo o discurso colonial, guerras entre nações e disputas por território têm bases firmes no etnocentrismo, padrão que caracteriza o animal humano desde a invenção da cultura.

Etnia Batwa, região dos Grandes Lagos / Reprodução

 

Pois bem. Um dos legados deixados pelo imperialismo no continente Africano foi a incorporação de grupos étnicos muito diferentes entre si em territórios únicos, a serem geridos pelas potências europeias. A charge que todos já devem ter visto na escola e que provavelmente surgiu agora em sua mente é aquela de grandes potências europeias dividindo o continente Africano como uma pizza, e destinando cada partezinha a determinada Nação. Alemanha, Reino Unido, Inglaterra, França e Itália, por meio da Conferência de Berlim em 1885 realizaram a famosa partilha da África. E o que eles provavelmente sabiam era que, em cada pedacinho de continente partilhado, existiam centenas de grupos étnicos distintos cultural, econômica e linguisticamente.

Mapa de grupos étnicos da África. À direita, linhas vermelhas representam nações atuais. / Reprodução

 

Os números são fluidos, mas registra-se hoje aproximadamente 492 grupos étnicos no território Africano, que utilizam ao menos 36 línguas diferentes. Não, você não leu errado: existem quase quinhentos grupos com crenças, práticas alimentares, modos de pensar o mundo e aspectos físicos diferentes, distribuídos em troncos linguísticos tão distintos quanto o português do russo. Assim como no território brasileiro, esses números não são nada perto da diversidade cultural existente quando da época colonial, e muitos grupos também foram historicamente submetidos a monarquias africanas centralizadas, como Gana, Axum, Congo e Mali, em episódios de concentração de poder no continente. 

Etnia Ubuntu, África Subsaariana / Reprodução

 

Voltando ao século XIX, quando a Conferência de Berlim transformou o território africano em pizza, muitas das fronteiras delimitadas cortavam territórios étnicos pela metade, ou juntavam em uma só porção grupos inimigos de longa data. E isso acabou se tornando estratégico: os neocolonizadores passaram a usar disputas locais de forma tática, oferecendo armas de fogo e colocando um grupo contra o outro para melhor dominá-los. Exemplo da repercussão dessa história foi o massacre efetuado por grupos extremistas Hutus aos povos Tutsi, ocorrido em 1994 e que ficou conhecido como Genocídio de Ruanda. Os dois grupos anteriormente eram uma só população, que foi dividida pelos colonizadores belgas baseado em critérios como altura, cor da pele e formato do nariz, em um episódio que exemplifica bem os problemas causados pela intervenção europeia nesses grupos.

Atualmente, o local que abriga a maior diversidade étnica no continente Africano é a Floresta do Congo, situada em países como República Democrática do Congo, Camarões, República Centro-Africana e Guiné Equatorial. Nela estão situados os chamados "povos da floresta", que atualmente lutam pelo direito de utilizar os recursos naturais para preservação de suas culturas. Inclusive, zonas tropicais são locais altamente propícios à diversidade cultural. Mas isso já é outra história...

Etnia Hamer, região da Etiópia / Reprodução