Vitrine » Arqueologia

Entenda a polêmica por trás dos pregos que teriam sido usados na crucificação de Jesus

Os intrigantes artefatos apontados como usados na crucificação de Cristo dividem opiniões

Victória Gearini Publicado em 01/11/2020, às 10h00

Representação feita por Diego Velazquez de Jesus Cristo sendo crucificado
Representação feita por Diego Velazquez de Jesus Cristo sendo crucificado - Getty Images

Ao longo dos séculos diversas relíquias antigas foram consideradas sagradas, por supostamente terem alguma ligação comJesus Cristo. No entanto, há também artefatos que foram considerados falsos. Com o passar dos anos, estudos se concentraram em uma parte interessante da história: fragmentos de pregos encontrados em 1990 podem ter sido usados ​​na crucificação de Cristo.

A descoberta 

Em 1990, um ossuário datado do século I d.C. foi encontrado por arqueólogos que exploravam uma caverna em Jerusalém. Inscrito com o nome Caifás, sumo sacerdote de Cristo que é mencionado no Novo Testamento. O local foi atribuído a tumba da família do sumo sacerdote que teria participado da morte de Jesus Cristo. 

Os arqueólogos encontraram, ainda, fragmentos de pregos que segundo pesquisas teriam ajudado na crucificação de Cristo. Sabe-se que anos mais tarde os pregos desapareceram, no entanto, em 2011 o cineasta Simcha Jacobovici afirmou ter encontrado-os. Para comprovar a descoberta, ele produziu um documentário, que não foi bem recebido pelos estudiosos. 

Ilustração de Jesus Cristo carregando a cruz / Crédito: Getty Images

 

Segundo especialistas e acadêmicos consultados pela Reuters, a suposta descoberta de Jacobovici trata-se na verdade de um golpe publicitário. Além disso, a Autoridade de Antiguidades de Israel, responsável por supervisionar a escavação em Jerusalém, declarou que a interpretação apresentada pelo homem não possui base ou pesquisas arqueológicas - o que já era de se esperar. Todavia, novas informações trouxeram de volta a polêmica. 

Novos estudos 

Segundo o Jerusalem Post, estudos lançados este ano, e coordenados pelo geólogo Aryeh Shimron, afirmam que os pregos são realmente os mesmos encontrados anteriormente. De acordo com o especialista, somente análises químicas e físicas poderiam revelar se os pregos vieram da caverna onde o ossuário de Caifás foi descoberto.

A partir de sua nova pesquisa, o profissional concluiu que os pregos possuem fragmentos de madeira e ossos, indicando que alguém foi crucificado com eles. Como esperado, o estudo de Shimron tem gerado polêmica entre a comunidade arqueológica. 

Pintura de Ivan Nikolaevich Kramskoi / Crédito: Getty Images

 

Para alguns estudiosos, sua pesquisa é "altamente especulativa" e não possui evidências suficientes que comprovam que os pregos foram utilizados para crucificar uma pessoa, muito menos Jesus Cristo. 

Quando Jacobovici lançou seu documentário, a Autoridade de Antiguidades de Israel disse, ainda, que encontrar pregos antigos em tumbas é algo extremamente comum, portanto, não há evidências que comprovam que tenham sido realmente usados para crucificar Cristo.

Conforme visto nas reproduções da morte de Cristo, três ou quatro pregos teriam sido usados em suas mãos e pés. Mas não é isso que diz a Enciclopédia Católica: lá, nada menos que 30 pregos são venerados como relíquias de sua morte. Ou seja, a questão está longe de ter uma resposta exata.

Pesquisas exatas 

Vale lembrar que outra pesquisa recente também investiga a crucificação de Jesus, com resultados surpreendentes. Um documentário exibido pelo Instituto de pesquisa Smithsonian, chamado Mistério da Crucificação, discute novas teorias de especialistas e médicos sobre esse método, para entender um pouco mais sobre como Jesus morreu.

Dr. Per Lav Madsen, cardiologista dinamarquês envolvido na pesquisa, acredita que a morte por crucificação poderia levar muito tempo e que era usada devido ao grande sofrimento causado.

A produção mostra a investigação feita em dois cadáveres encontrados em 2007, para os pesquisadores essas duas pessoas morreram crucificadas. Os corpos estão sendo usados para estudar novas possibilidades e causas sobre a morte de Jesus Cristo.

O esqueleto encontrado em Gavello, ao norte da Itália, apresentou um buraco no osso do calcanhar. Depois de muitas pesquisas, a origem de um acidente no local foi descartada, e agora os estudiosos trabalham com a possibilidade de uma execução por crucificação, assim como a de Cristo.

Túmulo do homem encontrado em Gavello na Itália / Crédito: Divulgação 

 

Os pesquisadores acreditam que o tipo de lesão encontrada no esqueleto é compatível com a posição do corpo de Jesus na cruz, com as pernas sobrepostas para permitir que um único golpe perfure os dois pés de uma vez.

Os restos mortais encontrados são datados da era romana. Arqueólogos descobriram fragmentos de tijolos e telhas típicos da época nas proximidades, o que coloca essa crucificação em um momento próximo da morte de Jesus. Os especialistas e médicos estão usando esses restos mortais para entender mais sobre como o profeta teria morrido e as lesões que lhe foram causadas.


+Saiba mais sobre Jesus Cristo por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

A história de Jesus para quem tem pressa: Do Jesus histórico ao divino Jesus Cristo!, de Anthony Le Donne (2019) - https://amzn.to/2Oa55FY

Jesus, o homem mais amado da história, de Rodrigo Alvarez (2018) - https://amzn.to/2O8yd0g

O Evangelho segundo Jesus Cristo, de José Saramago (1991) - https://amzn.to/36DPvZE

Box Enciclopédia da Vida de Jesus, de Louis-Claude Fillion (2018) - https://amzn.to/2RSBjX6

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W