Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Vitrine / Moda

Os crimes e segredos por trás de grandes grifes da moda

Versace, Chanel e Gucci já tiveram acontecimentos bizarros que marcaram sua história

Redação Publicado em 06/12/2021, às 17h34 - Atualizado em 22/03/2022, às 13h15

Imagens de "Gianni Versace", "Maurizio Gucci" e "Coco Chanel" respectivamente - Wikimedia Commons
Imagens de "Gianni Versace", "Maurizio Gucci" e "Coco Chanel" respectivamente - Wikimedia Commons

Consolidadas no mundo da moda, grandes marcas de grife como Gucci, Versace e Chanel batalharam e passaram por longas trajetórias até construírem os verdadeiros impérios que conhecemos hoje.

Entretanto, ao longo dos anos, essas marcas também foram envolvidas em diversas polêmicas e acontecimentos que marcaram suas historias para sempre - incluindo, até mesmo, assassinatos.

A Aventuras na História reuniu três destes acontecimentos que deixaram marcas eternas na linha do tempo da moda ao redor do mundo. Confira:

O assassinato de Gianni Versace

Versace é considerada uma das marcas de grife mais poderosas do mundo. A marca italiana, fundada em 1978, tornou-se uma das mais importantes do mercado de luxo, sendo expandida para outras áreas além da moda, como a de artigos para decoração de casa e de cosméticos.

Apesar de diversos acontecimentos marcarem positivamente sua história, como um dos vestidos usados por Jennifez Lopez ter sido responsável pela criação do Google Imagens, o caso mais conhecido envolvendo o nome Versace aconteceu há 24 anos, no dia 7 de julho de 1997.

Divulgação/Youtube/Charlie Rose/1994
Divulgação/Youtube/Charlie Rose/1994

Fundador da marca, Gianni Versace era o nome por trás de todo o império de luxo de sua família, até ser baleado em frente à sua casa em Miami Beach, aos 50 anos de idade. O assassino, Andrew Cunanan, foi considerado um psicopata após as investigações policiais, e teria cometido outros quatro crimes anteriores a Gianni - sendo este o último, antes dele tirar sua própria vida. Por frequentarem os mesmos lugares e círculos sociais durante os anos 80, Cunanan afirmava ser íntimo do estilista, informação que fora negada pela família e considerada inconclusiva pelo FBI.

Após o falecimento de Gianni, o império Versace passou a ser comandado por sua irmã, Donatella, e 50% de sua fortuna ficou com sua sobrinha, Allegra Versace. A história foi adaptada para a televisão na série ganhadora do Emmy e dirigida por Ryan Murphy "American Crime Story: O Assassinato de Gianni Versace" (2018). 


O assassinato de Maurizio Gucci

A história de Maurizio Gucci e Patrizia Reggiani sempre foi controversa. Apesar do nome Gucci ter se tornado gigante na indústria da moda, o assassinato de um dos herdeiros à marca, Maurizio Gucci, foi uma grande polêmica para a família. Isso se dá porque ele foi encomendado pela ex-esposa de Maurizio, Patrizia Reggiani.

Domínio Público / Via Wikimedia Commons
Domínio Público / Via Wikimedia Commons

No dia 27 de março de 1995, Maurizio fora baleado quatro vezes nas escadas de entrada do seu escritório. Sua morte, que chocou o mundo, teve uma enorme repercussão na mídia e fora encomendada por Patrizia, sua ex-esposa.

Patrizia fora julgada e condenada pelo crime em 1998, assim como seus três cúmplices. Anos depois, em entrevista ao The Guardian, Patrizia afirmou que sua principal motivação foi o medo de suas filhas terem que dividir a herança do pai com Paola Franchi, namorada de Maurizio.

Recentemente, a história de Patrizia Reggiani e Maurizio Gucci foi adaptada para os cinemas com Lady Gaga e Adam Driver no papel do casal.


Coco Chanel era uma espiã nazista?

Famosa por revolucionar a moda e os cosméticos - principalmente com o perfume Chanel Nº 5 - a Chanel sempre foi uma marca sinônimo de riqueza e delicadeza. O que poucos sabem é que Coco Chanel, a fundadora da marca, fora aliada ao Partido Nazista durante a Segunda Guerra Mundial.

Justine Picardie, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons
Justine Picardie, CC BY-SA 4.0, via Wikimedia Commons

Durante a ocupação alemã na França, Coco procurou abrigo para se proteger em uma das épocas mais sombrias do país. Foi esse motivo que a levou a se envolver com o serviço secreto alemão e o agente Barão Hans Günter Von Dincklage. Ela servia, segundo o site Veja, como mediadora entre os nazistas e Winston Churchill - seu ex-amante e Primeiro Ministro da Inglaterra na época. Um dos seus principais interesses, no entanto, era manter o nome da sua fragrância Chanel Nº 5 enquanto afastava os seus sócios judeus, a família Wertheimer, da empresa.


+Saiba mais sobre o assunto através de grandes obras disponíveis na Amazon:

Casa Versace: Bastidores de Uma História de Genialidade, Assassinato e Superação, de Deborah Ball (2015) - 

Casa Gucci: Uma história de glamour, ganância, loucura e morte, de Sara Gay Forden (2021) - https://amzn.to/3xTcBdZ

Dormindo com o inimigo, de HalVaughan (2011) - https://amzn.to/3IkTU7V

O Evangelho de Coco Chanel, de Karen Karbo (2010) - https://amzn.to/3pjQbyC

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a Contigo! pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2QotTLt

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2UdgvuJ