Linha do tempo: a origem do homem

Acompanhe nossa trajetória até o começo da civilização

Álvaro Oppermann Publicado em 10/06/2009, às 05h45 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Ah, a falta que a escrita fez! Em um artigo do jornal The New York Times, o arqueólogo William H. Kimbel, da Universidade do Arizona, queixou-se, em tom de brincadeira, que a humanidade poderia ter inventado a escrita uns 80 mil anos atrás, e não 6 mil. Poderíamos assim conhecer a história humana bem melhor. Ainda assim, os ossos nos contam detalhes sobre nossas origens. Há 200 mil anos, não éramos muito diferentes de nossos primos, como o Homo neanderthalensis. Vivíamos na África, caçávamos com lanças de bambu, subíamos em árvores para colher frutos e corríamos para não virar lanche de animais maiores. Também aprendemos uma coisa ou outra com nossos colegas. Os neandertais, por exemplo, já sepultavam seus mortos em 60000 a.C., 40 mil anos antes de nós. Depois, o jogo se inverteu. Em 10000 a.C., com o fim do período de glaciações, começamos a ficar civilizados. Ao começar a escrever, por volta de 3800 a.C., estávamos prontos para dominar o mundo.

A PRÉ-HISTÓRIA
Da pedra lascada ao alfabeto, 52 mil anos de evolução

50000 a.C.
MANDANDO BRASA
O registro mais antigo do Homo sapiens é um crânio de 200 mil anos encontrado na Etiópia. Os primeiros 150 mil anos foram bem monótonos. Isso mudou quando o homem controlou o fogo. Com ele, conseguiu espantar animais selvagens e diversificou a alimentação.

32000 a.C.
PICASSO DAS CAVERNAS
Surgem na Europa as primeiras pinturas nas paredes de cavernas, como as de Altamira, na Espanha, e Lascaux, na França. Em geral, as imagens representam animais, como bisões, cavalos e cervos. "É provável que esses desenhos tivessem significado religioso ou mágico", diz o antropólogo canadense Michael Bisson.

29000 a.C.
A PRIMEIRA GUERRA
As armas evoluem para facas e lanças mais duráveis e bastões de pedra e osso fáceis de manusear. É com elas que, provavelmente, o Homo sapiens liquida seu maior rival, o Homo neanderthalensis, que habitava a Europa desde 230000 a.C. e disputava os mesmos territórios.

24000 a.C.
VÊNUS POPOZUDA
A arte atinge novo patamar com as estátuas de terracota (argila cozida). O exemplar mais famoso é a Vênus de Willendorf, encontrada na Áustria e fabricada entre 24000 e 22000 a.C. "Os seios fartos e os quadris largos são símbolos de fertilidade", afirma o historiador britânico Christopher Witcombe.

15000 a.C
ALTA COSTURA
Assim como o neandertal, o Homo sapiens se cobria com peles de animais desde ao menos 100000 a.C. O passo seguinte foi a costura. É pura coincidência, mas a primeira agulha, feita de espinha de peixe, surge onde hoje fica a França, terra de grandes estilistas.

10000 a.C
CASAS E COOKIES
Na atual região do Iraque, são construídas as primeiras casas, feitas de palha, madeira e barro cozido. A culinária melhora. "Começamos a fazer bolachinhas de grãos, água e massa. Não eram apetitosas, mas foram os primeiros cookies da História", diz o historiador escocês Reay Tannahill no livro Food in History (sem tradução no Brasil).

9000 a.C.
UM, DOIS, TRÊS...
Antes de ler e escrever, o homem já sabe contar. Escavações no Iraque encontraram pedrinhas numeradas, datadas de 9000 a.C. Para Donald Ryan, professor de línguas antigas da Universidade da Pensilvânia, os números vieram da necessidade de contabilizar bens, como animais e glebas de terra.
8000 a.C.
AGRICULTURA E PECUÁRIA
Na região que vai do Iraque até Israel, nossa espécie começa a cultivar a terra, a fazer irrigação e a domesticar animais. As plantações mais antigas são de centeio e cevada. Criações de ovelhas, cabras, vacas e porcos surgem entre 9000 e 7000 a.C. Já os cachorros circulavam entre as pessoas desde o ano 10000 a.C.

6000 a.C.
JÓIAS DE PEDRA
A invenção do torno de cerâmica coincide com outras inovações do período, como os primeiros artefatos de pedra polida, que são transformados em braceletes e colares. "Essas mudanças já prenunciam o fim da Pré-História", diz a italiana Antonella Gallo, professora de História da Arte.

4200 a.C.
NASCEM AS CIDADES
Entre os rios Tigre e Eufrates, na Mesopotâmia (atual Iraque), os sumérios erguem grandes vilas. Cada povoado é regido por um líder tribal, escolhido entre os principais clãs das regiões. A cidade de Uruk, que floresceu entre 3800 e 3200 a.C., chegou a ter 45 mil habitantes.

3800 a.C.
O FIM DE UMA ERA
Surge a roda, feita de madeira. Com ela, é possível criar máquinas e meios de transporte. Já os primeiros alfabetos, como o dos sumérios, são compostos de figuras que representam animais, partes do corpo e o sol. Com essas duas invenções, o ser humano dá adeus à Pré-História.