Tiro e queda: nudismo, Erich Käestner, Women¿s Land Army

Tiro e queda: nudismo, Erich Käestner, Women¿s Land Army

Guilherme Gorgulho Publicado em 01/04/2008, às 00h00 - Atualizado em 23/10/2017, às 16h36

Aventuras na História
Aventuras na História - Arquivo Aventuras

Nudismo na guerra

Um casal francês foi condenado a pagar multa de 150 euros (cerca de 400 reais) e cumprir um mês de prisão por posar nu em um memorial canadense da Primeira Guerra e colocar as imagens na Internet. Os exibicionistas tiraram fotos nas trincheiras reconstituídas de Vimy, norte da França, que presta tributo a 60 mil canadenses mortos no conflito. A dupla também pagou uma multa simbólica de um euro para o Estado canadense, o reclamante civil no processo.

O último veterano

Um alemão considerado o último veterano da Primeira Guerra Mundial no país morreu no dia 1º de janeiro, aos 107 anos. Erich Käestner, que serviu no front ocidental para combater na França, faleceu em uma casa de repouso em Colônia. A notícia não teve repercussão imediata na Alemanha, nação que perdeu as duas guerras mundiais e que sequer possui um levantamento sobre veteranos remanescentes.

Exército de mulheres

O Reino Unido finalmente vai reconhecer o trabalho do Women’s Land Army (WLA), que, durante a Segunda Guerra, trabalhou na lavoura e em outros serviços braçais e impediu que o país sofresse com a fome. Diferentemente dos soldados, as mulheres que se empenharam no esforço de guerra nunca tiveram condecorações honrosas. Quase 70 anos após as primeiras terem se apresentado como voluntárias, as cerca de 20 mil sobreviventes irão receber medalhas do governo.