Curiosidades » Brasil

Prestação de serviços e segurança: A origem das milícias no Rio de Janeiro

Ainda que a truculência fosse uma característica do grupo, no começo, eles se propuseram a fazer tudo aquilo que o Estado não estava fazendo

Pamela Malva Publicado em 22/02/2020, às 10h00

Imagem meramente ilustrativa de milicianos no filme Tropa de Elite 2
Imagem meramente ilustrativa de milicianos no filme Tropa de Elite 2 - Divulgação/Zazen Produções

Há anos, a milícia é um dos três grandes poderes que comandam as favelas e periferias do Rio de Janeiro. Em constante embate contra o Estado e traficantes, o grupo criminoso manda e desmanda nas comunidades que controla.

Formadas por agentes de segurança fora de serviço, ou ainda na ativa — como policiais, bombeiros, guardas municipais, militares e vigilantes —, as milícias nasceram na década de 1970. E tudo começou com o intuito de proteger as pessoas e combater o narcotráfico.

Em 1979, um dos primeiros casos de milícias foi registrado na favela de Rio das Pedras, em Jacarepaguá. E a ideia sempre foi essa: cuidar da população, coisa que o Estado não estava fazendo. Uma vez estabelecidos, então, os grupos passaram a competir contra as facções criminosas.

Em dezembro de 2007, por exemplo, os milicianos controlavam 92 das mais de 300 favelas do Rio de Janeiro. Relatórios sobre a rápida expansão caracterizavam a milícia como uma segurança alternativa, que livraria as comunidades da dominação do tráfico.

Foto da Favela da Rocinha, no Rio de Janeiro, tirada em 2014 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Por muito tempo, através do controle armado, a milícia fornecia diversos serviços aos moradores das favelas, além da proteção. Exatamente por isso, o grupo tinha o apoio da população e conseguia eleger membros e líderes da milícia para cargos políticos.

No entanto, com o passar dos anos, a truculência entrou na equação e as coisas começaram a se complicar. As milícias tomaram conta das comunidades com violência e passaram a cobrar pagamentos semanais, em troca da proteção que sua presença infligia.

A milícia, então, só fez crescer. Ao final de 2010, os grupos já dominavam 41,5% das mais de mil favelas cariocas. Os limites do estado, entretanto, não significavam nada para os milicianos. Em 2016, eles já tinham expandido seus trabalhos para outros estados, como Pará, São Paulo, Bahia, Ceará e Mato Grosso do Sul.


+Saiba mais sobre o tema através dos livros abaixo

Fiel, de Jessé Andarilho (2014) - https://amzn.to/39T7ptd

A Guerra, de Bruno Paes Manso e Camila Nunes Dias (2018) - https://amzn.to/2PdLEfX

Irmãos: Uma história do PCC, de Gabriel Feltran (2018) - https://amzn.to/2HGa6CB

Laços de Sangue, de Marcio Sergio Christino e Claudio Tognolli (2017) - https://amzn.to/2wunRSi

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.