Curiosidades » Família Real Britânica

Neste dia, em 1947, a então princesa Elizabeth casava-se com Philip Mountbatten

Separamos 5 curiosidades sobre a histórica união que foi celebrada na Abadia de Westminster

Penélope Coelho Publicado em 20/11/2020, às 07h00

Elizabeth e Philip durante cerimônia de casamento
Elizabeth e Philip durante cerimônia de casamento - Divulgação/ Royal.uk

Em 20 de novembro de 1947, a filha mais velha do rei George VI e então próxima nobre na linha de sucessão ao trono britânico, Princesa Elizabeth (posteriormente rainha Elizabeth II), casou-se com Philip Mountbatten, nomeado na ocasião, duque de Edimburgo.

A celebração que aconteceu na Abadia de Westminster, em Londres, foi um grande evento repleto de curiosidades. Hoje, 20 de novembro de 2020, a união duradoura que já passou por altos e baixos, completa exatos 73 anos.

Pensando nisso, separamos 5 fatos sobre o casamento de Elizabeth e Philip.

1. O noivado

A então princesa Elizabeth, conheceu seu futuro marido muito jovem, aos 13 anos de idade, em 1934. Eles se viram pela primeira vez em uma ocasião especial, durante o casamento da prima de Philip, a princesa Marina da Grécia e da Dinamarca, com o príncipe George, Duque de Kent.

Elizabeth e Philip no ano de 1950 / Crédito: Wikimedia Commons

 

Mesmo com a diferença de idade entre eles, Elizabeth se apaixonou pelo primo de terceiro grau — que na época tinha 18 anos. Rapidamente eles começaram a trocar cartas, contudo, o noivado só veio a acontecer anos depois, em 9 de julho de 1947.


2. O grande dia

Após Philip pedir a então princesa em casamento com um anel de diamantes — que foram retirados de uma tiara que pertenceu à sua mãe, a princesa Alicede Battenberg —,  o planejamento da cerimônia aconteceu de maneira rápida, em somente quatro meses.

Às 10h30 da manhã de 20 de novembro de 1947, Philip, que antes da cerimônia havia se tornando duque de Edimburgo, e Elizabeth se casavam na Abadia de Westminster, em Londres. Mesmo local que os pais da futura rainha se casaram no ano de 1923.


3. Tradições e convidados

O dia da celebração contou com inúmeras tradições reais que já eram esperadas para um casamento desse porte na família real. Elizabeth chegou na Abadia de carruagem, acompanhada de seu pai. Além disso, a noiva teve oito madrinhas, entre elas sua irmã mais nova, princesa Margaret e sua prima, princesa Alexandra de Kent. Já o padrinho de Philip foi David Mountbatten, o marquês de Milford Haven.

No total, a cerimônia contou com 2 mil convidados, incluindo figuras internacionais, como: o rei do Iraque, princesa Juliana e príncipe Bernhard da Holanda. Além disso, o casamento foi gravado e transmitido para o público pela rede de televisão BBC.


4. Música

Na ocasião, além de toda a elegância da cerimônia, um aspecto que chamou a atenção foi a forma com que a trilha sonora do casamento foi conduzida. Tudo foi pensado de maneira especial e a música não ficou de fora. O diretor musical do casamento William Neil McKie, foi escolhido a dedo. Para celebrar a união, o organista escreveu uma composição musical vocal especialmente para o evento.

Ao todo, 91 cantores se reuniram na Abadia formando um belíssimo coro que se uniu para cantar canções religiosas como: Praise, my soul, the king of heaven e The Lord's my Shepherd.


5. Vestido de noiva e pós-cerimônia

Princesa Elizabeth e Philip Mountbatten no dia do casamento / Crédito: Wikimedia Commons

 

Algo que também sempre chama atenção nos casamentos é o vestido usado pela noiva, o que não foi diferente para Elizabeth. Sua vestimenta foi motivo de curiosidade na época.

O vestido de noiva foi feito pelo estilista SirNorman Hartnell a escolha se deu somente três meses antes da cerimônia. Para o desenho dessa peça especial, Hartnell afirmou que se inspirou na pintura A Primavera, do italiano Sandro Botticelli.

Decorado com cristais e 10 mil pequenas pérolas importadas, o vestido possuía um corte simples, decote de coração e uma longa cauda de tule de seda, com aproximadamente 4,5 metros.

Além da vestimenta, o buquê da noiva também foi destaque, já que contava com orquídeas brancas e um ramo de murta, em homenagem à Rainha Vitória, que iniciou essa tradição.

Após o fim da cerimônia, Elizabeth e Philip se dirigiram até a sacada do Palácio de Buckingham como manda a tradição e acenaram para a multidão que os aguardava do lado de fora. Para a lua de mel, o casal viajou para Birkhall na propriedade do castelo de Balmoral e desde então, iniciaram essa longa e duradoura história que hoje completa 73 anos.


+Saiba mais sobre a família real britânica por meio das obras disponíveis na Amazon:

The Queen: The Life and Times of Elizabeth II (Edição Inglês), de Catherine Ryan (2018) - https://amzn.to/2RhgNA7

A Brief History of the Private Life of Elizabeth II, Michael Paterson (2012) - https://amzn.to/394Qjsq

God save the queen - O imaginário da realeza britânica na mídia, de Almeida Vieira e Silva Renato (2015) - https://amzn.to/2xTkiGd

Diana. O Último Amor de Uma Princesa, de Kate Snell (2013) - https://amzn.to/2TgHgPO

Vitória, a rainha: Biografia íntima da mulher que comandou um Império, Julia Baird (2018) - https://amzn.to/2T9uEuc

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp