Curiosidades » Bizarro

O homem que desapareceu em 1997 e teve seu mistério desvendado pelo Google Earth

Entenda como um homem que investigava sua vizinhança no aplicativo resolveu um mistério de 22 anos, revelado em 2019

Redação Publicado em 26/09/2020, às 09h00

O automóvel (à esqu.) e William Moldt (à dir.)
O automóvel (à esqu.) e William Moldt (à dir.) - Divulgação/BBC

Lançado pelo Google em 2001, o Google Earth, programa que, conectado à internet, possibilita a visão da superfície do globo terrestre em imagens feitas por satélite, representou uma grande evolução tecnológica para a história.

De tão impressionante, o aplicativo revelou um fato bizarro no ano passado: um carro. No entanto, o que as autoridades encontrariam dentro do automóvel desvendou um enigma de mais de duas décadas.

O automóvel /Crédito: Divulgação - Google Earth

 

Com a inacreditável tecnologia do programa do Google, foi possível revelar o carro perdido de William Moldt, que, durante anos, representou um grande mistério para seus parentes.

O acidente

Moldt sumiu em 7 de novembro 1997, aos 40 anos, enquanto voltava de uma casa noturna nos EUA. Durante o trajeto por Moon Bay Circle, Wellington, Flórida, o pior aconteceu: seu carro caiu no lago. Sem maiores informações sobre o desaparecimento do homem, seus familiares procuraram as autoridades. Todavia, sem grandes respostas.

A polícia abriu um inquérito sobre o caso, afinal, ninguém sabia o que havia acontecido com o homem naquela noite. Sem maiores novidades, os policiais encerraram as buscas e William foi dado como desaparecido. Uma verdadeira tragédia.

Foi apenas em 28 de agosto de 2019 que o mistério seria finalmente solucionado. Após um enigma que durou duas décadas, um ex-morador do bairro, assim como muitos curiosos, decidiu explorar a sua antiga vizinhança. Logo se deparou com algo que muito se parecia com um automóvel.

Imagem aproximada do automóvel /Crédito - Divulgação/Google Earth

 

Impressionado com a cena que havia encontrado no Google Earth, compartilhou a informação com um colega, também antigo vizinho, que decidiu confirmar as suspeitas do curioso. Com o auxílio de um drone pessoal, foi possível confirmar: era de fato um carro.

Prontamente informadas, as autoridades  partiram para averiguar a descoberta dos dois colegas. Da água, removeram um antigo sedã branco que estava totalmente calcificado.

“Surpreendentemente, o veículo estava claramente visível em uma foto de satélite do Google Earth da área desde 2007, mas aparentemente ninguém percebeu até 2019”, informou o site Charley Project (banco de dados online americano sobre casos não resolvidos).

Nos restos do automóvel que descansava no lago, mais uma surpresa: eram os restos mortais de Moldt, que havia desaparecido naquela noite de 1997.

A noite do sumiço

De acordo com a BBC, via G1, após o episódio surpreendente, as autoridades informaram que a vítima não teria controlado o automóvel, caindo direto no lago.

Também foi revelado que durante as investigações iniciais não foram identificadas evidências que indicassem o paradeiro do carro.

O que sobrou do veículo /Crédito: Divulgação

 

Segundo as autoridades, o veículo só foi encontrado pelo homem com o recurso do Google porque uma alteração no nível da água fez com que o carro pudesse ser identificado facilmente.

"Não é possível determinar o que aconteceu há tantos anos. Tudo o que sabemos é que ele desapareceu da face da Terra e agora foi descoberto", revelou Therese Barbera, da delegacia.

O documento do Sistema Nacional de Pessoas Desaparecidas e Não Identificadas também apontou algumas singularidades sobre a noite. Segundo o relatório, o rapaz saiu da boate às 23h daquele 7 de novembro.

Além disso, também é indicado que Moldot, conhecido pela tranquilidade, saiu do estabelecimento sem acompanhantes e não parecia apresentar sinais de embriaguez. "Ele não bebia frequentemente, mas tomou várias bebidas no bar", explica o documento.

Com o fim do mistério, seus familiares foram contatados e informados sobre o ocorrido. Assim, os parentes tiveram a chance de se despedir do rapaz. A tragédia também revelou outro fato triste: naquela noite comum, às 21h30, a namorada de William recebeu uma ligação do amado informando que logo a encontraria em casa. O que nunca aconteceu.