Galeria » Galeria

Kultura Kustom: A KontraKultura do mundo automobilístico

Nascida da modificação de carros e viva até hoje, a “Kontrakultura” com k é um universo que inspirou e ainda inspira rebeldes, artistas e punks

Fabio Marton Publicado em 24/01/2019, às 06h00 - Atualizado às 07h37

Uma espacionave ou um carro?
Uma espacionave ou um carro? - Wikimedia Commons

Precursor

Wikimedia Commons

Um dos pilares da cultura, os hot rods nasceram nos anos 20, a era da Lei Seca. Calhambeques como o Ford T ao lado foram primeiro modificados para contrabandearem bebidas ilegais, escapando  da polícia. Na década seguinte, surgiram corridas com esses carros, modificados  para terem mais motor  e menos peso. Após a Segunda Guerra, veteranos que receberam treinamento como mecânicos começaram  a fazer hot rods eles mesmos. Nascia a Kultura Kustom.

Imortal

Wikimedia Commons

O Hirohata Merc é uma das pedras fundamentais da cultura. Criado a partir de um Mercury Eight 1951. Em 1953, na oficina dos irmãos George e Sam Barris, teve seu teto cortado (rebaixado), janelas modificadas, uma saia instalada ao lado, e, em geral, foi “frankensteinizado” com partes retiradas ou inspiradas em modelos da Buick, Ford, Lincoln, Cadillac e Chevrolet. Ganharia 150 prêmios nas exibições onde foi apresentado. O dono Bob Hirohata (daí o nome) o venderia e ele passaria por diversas mãos, até parar nas do adolescente de 16 anos Jim McNiel, dono ainda hoje, que o usou no dia a dia por muitos anos. Mercuries rebaixados continuam a ser criados até o dia de hoje. 

Papaizão

Wikimedia Commons

Ed “Big Daddy” Roth (1932-2001) foi um dos maiores responsáveis, senão o principal, por transformar a Kultura Kustom em algo mais  que carros modificados. Nos anos 60, ele ia a convenções de customizadores e vendia camisetas e pôsteres com suas criações – a mais famosa ao lado, Rat Fink, paródia grotesca de Mickey Mouse, que seria um ícone da contracultura. Com isso pagava por seus próprios veículos. O Orbitron, de 1964, desapareceria, seria  achado no México, em 2007, e restaurado à sua glória em acrílico e fibra de vidro, com bancos de pele e uma TV colorida. As luzes deveriam projetar branco, unindo as três cores. Não funciona.

Von dutch

Wikimedia Commons

Kenny Howard (1929-1992) foi outro fundador, começou pintando carros nos anos 50, criando o icônico olho voador. Ao lado, um roadster de 1929  decorado em 1955. Von Dutch foi um pseudônimo de “ser teimoso como um holandês”. Suas irmãs venderam o nome após sua morte, dando origem à grife. Nome polêmico: em 2004, um velho parceiro revelou suas tendências racistas.

Cruz de ferro

Wikimedia Commons

O Red Baron (Barão Vermelho), foi criado por Tom Daniel e construído por Chuck Miller em 1969.  Ele revela um favorito problemático da Kultura Kustom: a cruz de ferro.  É um símbolo usado  pelos nazistas, mas que precede a eles (o modelo deixa claro que se inspira na Primeira Guerra, não na outra). Foi usada por puro efeito de choque nos anos 60 e segue firme até hoje. O Barão até mesmo virou um brinquedo, um Hot Wheels.

Orgulho

Wikimedia Commons

Os lowriders (algo como “de digirir baixo”) são uma forma de customização que surgiu com um público diferente do da kultura kustom: entre os latinos de Los Angeles. Pintados com cores e temas remetentes à cultura mexicana, tinham as molas da suspensão cortadas para um passeio bem próximo ao solo, bem devagar, para se exibir na rua. Em 1958, uma lei de Los Angeles foi criada tendo como alvo os mexicanos, tornando ilegal qualquer carro que tivesse componentes abaixo das calotas. No ano seguinte, 
o customizador Ron Aguirre criou um mecanismo hidráulico capaz de regular a altura, de forma a escapar da multa. E criou o novo padrão, capaz até de dar saltos. Como o Gypsy Rose ao lado, um impala 64 que cruzou as ruas de Los Angeles nos anos 70.

Corrida maluca

Wikimedia Commons

O Charger 1969 ao lado participa das corridas  de dragster na categoria “funny car” (carro divertido). O nome só  quer dizer um dragster com o motor na frente e acabaram assumindo a forma icônica de um carro com uma roda traseira desproporcional. Mas  não é brincadeira: um funny car custa até US$ 3 milhões.

Mad max

Wikimedia Commons

Quando os hot rods surgiram, na Grande Depressão e depois no pós-guerra, as pessoas não tinham dinheiro para extravagâncias. Os rat hods são um estilo inspirado nesse tempo mais simples, fazendo os modelos parecerem a um tempo inacabados e usados. Mas são uma ideia moderna: recriações fiéis são chamadas de hot rods tradicionais.