Galeria » Galeria

Arte: Cachorros que jogam pôquer

Conheça a história da famosa pintura de Cassius Coolidge

Redação AH Publicado em 05/01/2019, às 08h00

Entenda o quadro cômico de Cassius Coolidge
Entenda o quadro cômico de Cassius Coolidge - Domínio Público

Um caso de amor persistente do público, ódio da crítica. A série de quadros de cachorros não só jogando pôquer como beisebol e sinuca, e também dançando e até mesmo sendo iniciados na maçonaria é um dos máximos exemplos do kitsch, a produção comercial para o consumo das massas iletradas em arte. Algo que nem é realmente arte, numa definição tradicional.

Mas os críticos não mandam no valor que o público atribui às obras. Em 2015, o primeiro quadro da série - batizado, sem muita imaginação, de Poker Game, foi vendido por US$ 658.000. Bem mais que muitos quadros menos famosos de artistas como Pablo Picasso. Uma medida mais que adequada do sucesso de uma obra que já nasceu para fazer dinheiro.

Jogo Oficial

Domínio Público

O pôquer nasceu do jogo francês poque, por sua vez derivado do alemão pocken (“blefe”). Levado ao Canadá, percorreu todo o caminho até o Rio Mississippi, onde se tornou o jogo oficial dos cassinos em navios a vapor.

Encomenda

Domínio Público

Em 1903, a editora Brown & Bigelow comprou os quadros já existentes e encomendou mais, 16 deles. Foram vendidos a indústrias de charuto, que passaram a distribuí-los como brinde.

Trapaça

Domínio Público

A trapaça do buldogue com seu amigo, contra cachorros muito maiores, tornam A Friend in Need (“Um Amigo Necessitado”) o mais popular da série. Com o ás extra passado por baixo da mesa, ele tem um four of a kind, a terceira mão mais poderosa do pôquer. No livro Poplorica, de 2004, os historiadores Martin J. Smith and Patrick J. Kiger propuseram que Coolidge não era só um mercenário e tinha um mensagem secreta: ridicularizar a classe alta.

Sem Ligação

Domínio Público

Cassius “Cash” Marcellus Coolidge não tinha qualquer ligação com o mundo das artes. Sempre atrás do dinheiro, foi dono de uma farmácia, fundou um banco, depois um jornal e começou a desenhar charges e caricaturas. Ele também é o inventor dos desenhos com um buraco para a cabeça, para tirar fotos, que ele chamou de comic foregrounds. Também assinava Kash Koolidge, para efeito “kômiko”.

Gatos?

Domínio Público

Em uma entrevista ao New York Times, em 2001, a filha do artista, Gertrude, então com 92 anos, afirmou que ela e a mãe preferiam gatos, mas não daria para imaginar gatos no mesmo papel. Mal imaginava ela o que a internet viria a trazer.