Notícias » Arqueologia

Cientistas tibetanos analisam DNA de bovinos selvagens de 5.200 anos

As análises laboratoriais permitiram aos especialistas entenderem que estavam lidando com animais diferentes do gado doméstico atual

Ingredi Brunato Publicado em 21/10/2020, às 07h00

Ilustração representando homens pré-históricos caçando iaques tibetanos.
Ilustração representando homens pré-históricos caçando iaques tibetanos. - Divulgação/ DONG Guanghui e ZHANG Haiyan

Nessa segunda-feira, 19, uma equipe de pesquisadores chineses publicaram na revista acadêmica PNAS um artigo falando da análise do DNA de restos bovinos e rinocerontes que viveram 5.200 anos atrás. 

Esses vestígios orgânicos foram desenterrados em um sítio arqueológico no Tibete, e a princípio os especialistas pensaram que pertenciam a iaques selvagens, animal típico da região. Após as análises laboratoriais do genoma dos animais, contudo, descobriu-se que se tratavam de famílias de bois selvagens e rinocerontes hoje extintos. 

O desaparecimento deles teria sido provocado por uma mistura de mudanças climáticas e aumento da atividade humana na área, de acordo com as conclusões tiradas as reconstruções populacionais dessas espécies. 

Essa pesquisa foi a primeira a investigar material de DNA antigo desses rinocerontes e bovinos na região do Tibete, porém ainda existem muitas dúvidas a respeito de como a distribuição geográfica dos grupos animais afetaram o estilo de vida das populações humanas desse período.