Notícias » Entretenimento

De acordo com colunista, série sobre o caso Evandro terá episódio extra com depoimento de Osvaldo Marcineiro

O episódio intitulado ‘Consequências’ deve estrear nesta quinta-feira, 8, no Globoplay

Penélope Coelho Publicado em 08/07/2021, às 11h37

Imagem de divulgação da série 'O Caso Evandro', da Globoplay
Imagem de divulgação da série 'O Caso Evandro', da Globoplay - Divulgação/Globoplay

De acordo com informações publicadas na coluna de Patricia Kogut, no jornal O Globo, a série documental da plataforma de streaming Globoplay ‘O Caso Evandro’, contará com um novo episódio, que deve ir ao ar ainda nesta quinta-feira, 8.

Segundo revelado na reportagem, o episódio extra foi intitulado como ‘Consequências’ e irá contar com depoimentos inéditos de Osvaldo Marcineiro, um dos acusados pela morte do menino Evandro Ramos Caetano, em Guaratuba, Paraná, no ano de 1992.

Essa é a primeira vez que o homem resolve falar sobre o ocorrido, sabe-se que na época ele foi uma das pessoas que foram presas após terem sido torturadas para que confessassem o crime.

A presença do relato de Osvaldo no episódio foi descrita como “emocionante” pelo diretor-geral do seriado, Aly Muritiba.

Em entrevista para a colunista, a também diretora da série Michelle Chevrand, afirmou que Marcineiro resolveu falar depois de 29 anos, em decorrência da repercussão da produção.

"O Osvaldo tinha um bloqueio e diz que, com a série, surgiram pessoas boas no mundo, que se solidarizaram com ele", revelou Chevrand.

A novidade também foi confirmada pelo criador do podcast ‘Projeto Humanos’, de Ivan Mizanzuk, que originou a série. O novo episódio também estará disponível nas plataformas de áudio.


Relembre o caso

No ano de 1992, o desaparecimento e morte de Evandro Ramos Caetano, de sete anos de idade, em Guaratuba, Paraná, chocou o Brasil. Na época, o garoto havia sumido no trajeto da escola para casa.

Alguns dias depois, seu corpo foi encontrado em um matagal, o garoto teve alguns órgãos retirados e as mãos e pés cortados. A polícia acredita que a morte do menino tenha sido um ritual macabro, em um crime que também ficou conhecido como “As Bruxas de Guaratuba”.

Marcineiro e outras cinco pessoas chegaram a confessar participação no crime, entretanto, posteriormente alegaram que haviam sido torturados para confessarem.