Notícias » Austrália

Estêncil: antiga forma de arte rupestre é revelada em pesquisa na Austrália

Arqueólogos estudaram o uso de diversos modelos de imagens usadas na marcação de paredes pelos aborígenes

André Nogueira Publicado em 02/06/2020, às 07h00 - Atualizado às 07h37

Caverna
Caverna - Universidade de Flinders

Uma nova pesquisa conduzida na Austrália explora uma área pouco conhecida da arte rupestre aborígene: o uso de modelos (ou, como normalmente são chamados, estênceis) na modelagem de formas. Fato partiu de uma série de desenhos detalhados e de dimensões pequenas demais para o nível de precisão de uma mão livre, abrindo espaço para a compreensão sobre temas pré-fabricados para pintura.

Dezessete imagens foram reveladas na caverna Yilbilinji, no norte do país, em associação entre autoridades, arqueólogos e comunidades tradicionais, revelando o uso desses modelos que barram a tinta e deixam marcado o formato na parede, segundo artigo divulgado na revista Antiquity. Os artefatos desse sítio revelam motivos diferentes: humanoides, cangurus, armas como bumerangues, formas geométricas, tartarugas, etc.

Uso do estêncil / Crédito: Universidade de Flindres

 

Segundo o antropólogo John Bradley à revista Cosmos, “os pesquisadores decidiram testar se a cera de abelha poderia ter sido usada para fazer os estênceis em miniatura". "Nossas experiências envolvendo aquecimento e modelagem de cera de abelha em figuras humanas, animais, objetos e formas geométricas, e depois estampadas em uma cera de abelha confirmada por uma laje de rocha, eram um excelente material para fazer estênceis em miniatura".

Modelo de cera / Crédito: Universidade de Flindres

 

O uso desses objetos, cujos relatos são raros no mundo, podem trazer novas reflexões sobre a arte, e seu significado ainda é razão de debate. Segundo Amanda Kearney, da Universidade de Flinders, "essa descoberta acrescenta outra dimensão ao registro australiano e global de arte rupestre".