Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Bizarro

EUA: Mulher descobre feto de 6 meses se desenvolvendo fora de seu útero

A paciente norte-americana chegou ao hospital se queixando de dores abdominais, e os médicos descobriram um bebê se desenvolvendo no lugar errado

Redação Publicado em 13/12/2023, às 12h42

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Montagem mostrando imagem de ultrassom da mulher e ilustração mostrando qual foi o seu caso - Divulgação/ New England Journal of Medicine e Divulgação/ Wikimedia Commons
Montagem mostrando imagem de ultrassom da mulher e ilustração mostrando qual foi o seu caso - Divulgação/ New England Journal of Medicine e Divulgação/ Wikimedia Commons

No estado norte-americano de New England, nos EUA, uma mulher chocou médicos ao chegar no hospitalgrávida de um feto de 23 semanas (6 meses) que, no entanto, não estava se desenvolvendo dentro de seu útero, e sim em sua cavidade abdominal. 

A paciente, que não sabia que era gestante, chegou na instituição de saúde se queixando de dores abdominais e inchaço. Segundo foi revelado por um posterior ultrassom, ela estava experienciando uma gravidez ectópica — que ocorre quando o óvulo fertilizado se fixa fora do útero. 

Algum tempo mais tarde, quando a norte-americana estava de 29 semanas, ela passou por um parto cesariana (em que o bebê é retirado do corpo da mãe via cirurgia). Felizmente, tanto a mulher quanto seu filho foram capazes de receber alta três meses mais tarde. 

Gravidez ectópica 

As gestações do tipo ectópica correspondem a 2% do total de gestações. Destas, a maioria consiste na fixação do embrião nas trompas de Falópio, o que oferece grande risco de vida à mãe, e precisa ser abortada com rapidez. 

São apenas em 1% das gestações ectópicas, por sua vez, que o óvulo fecundado se adere à cavidade abdominal, de forma que o caso da paciente foi incrivelmente raro. Ele foi descrito em uma edição recente do periódico New England Journal of Medicine. 

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!