Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Francia Márquez

Francia Márquez é a primeira mulher negra a se tornar vice-presidente da Colômbia

A vitória de Francia Márquez como vice-presidente de Gustavo Petros foi anunciada neste domingo, 19

Redação Publicado em 19/06/2022, às 20h33

Francia Márquez ao lado de Gustavo Petros - Getty Images
Francia Márquez ao lado de Gustavo Petros - Getty Images

Ao lado de Gustavo Petro, a advogada Francia Márquez conquistou um feito histórico na Colômbia ao se tornar a primeira vice-presidente negra do país. A vitória do economista Gustavo Petro fora anunciada neste domingo, 19.

Através de sua conta no Twitter, Francia vibrou com a vitória nas urnas do primeiro ao lado do presidente de esquerda da Colômbia.

"Obrigado Colômbia. Essa luta não começou conosco, começou com nossos ancestrais. Hoje com dignidade e grandeza colhemos os frutos dessa semeadura. Hoje a voz dos que não estão mais aqui e dos ressurgentes que virão se levanta e juntos começaremos a construir", comemorou Francia

Francia, que nasceu em La Toma, é formada em direito através da Universidade Santiago de Cali. Ela é mãe de dois filhos e na juventude trabalhou como garimpeira de ouro, além de exercer a função de empregada doméstica para conseguir pagar o curso na faculdade.

'As pessoas cansaram de sofrer'

Ligada a movimentos sociais, Francia chegou a lançar a pré-candidatura para presidência do país no ano de 2021, contudo, englobou a chapa de Petro. Nos discursos, já dizia que trabalharia pelos negros, indígenas, mulheres, camponeses e membros da comunidade LGBTQIA+.

Em entrevista ao O Globo, antes da vitória, Francia falou sobre o fato de uma possível vitória representar a primeira vez que políticos de esquerda chegarem à presidência do país.

"Como no Chile, e em muitos outros lugares, as pessoas cansaram de sofrer, se cansaram das promessas da elite, das 47 famílias que nos governaram a vida inteira. Se cansaram da guerra, porque continuam matando pessoas todos os dias. As pessoas estão fartas e querem mudanças. Minha candidatura ganha fôlego por isso, porque eu venho desses lugares dos excluídos", disse ela.