Black Friday Amazon 2021
Notícias » Mundo

Marido que matou mulher com naja havia a atacado com cobras outras vezes

Suraj Kumar matou sua mulher com uma naja, mas já havia tentado assassiná-la usando uma víbora

Paola Orlovas, sob supervisão de Thiago Lincolins Publicado em 23/11/2021, às 10h57

Imagem ilustrativa
Imagem ilustrativa - Pixabay

Uthra, uma mulher indiana de 25 anos, que usava apenas o primeiro nome, foi encontrada morta e com o braço esquerdo manchado de sangue, por sua mãe, no dia 7 de maio de 2020. A causa da morte teria sido uma picada de cobra altamente venenosa.

A família da jovem teria levado ela até um hospital em Kollam, uma cidade no estado de Kerala, no sul da Índia, mas ela já estava morta, e uma autópsia foi feita, que apontou que Uthra realmente havia sido picada por uma cobra e morrido por causa disso.

De acordo com a CNN, picadas de cobra são comuns no país, o que poderia ter feito com que a família não desconfiasse que, na verdade, se tratava de um assassinato. Os pais de Uthra fizeram uma queixa, e o julgamento da morte da mulher ficou famoso.

O assassino é Suraj Kumar, bancário de 27 anos com quem Uthra se casou em 2018. Durante o julgamento, foi revelado que Kumar buscava por ganhos financeiros dentro do casamento, aceitando itens como um sedã Suzuki e 720 gramas de ouro.

Em 2019, o culpado passou a estudar cobras, e comprou uma víbora de Russell do apanhador de cobras Chavarukavu Suresh, por um montante equivalente a 756 reais.

Não demorou até que as tentativas de homicídio começassem: no dia 27 de fevereiro, Suraj deixaria a víbora nas escadas de sua casa e pediria para que Uthra pegasse seu celular em outro andar, mas, a vítima pediu ajuda e acabou não sendo picada.

Outra tentativa foi feita em 2 de março, quando Kumar colocou um sedativo no pudim que sua mulher comia e depois forçou a cobra a mordê-la. Uthra acordou gritando e o marido alegava  que ela havia sido picada fora da casa. Enquanto o casal estava no hospital, Suraj buscava por outro tipo de cobra, uma naja.

Depois de passar 52 dias no hospital, Uthra, que não conseguia andar, foi ficar na casa dos pais, onde passava grande parte do tempo deitada. 

No dia 6 de maio, Suraj foi para a casa de seus sogros com uma naja escondida, comprada do mesmo apanhador que havia o vendido a víbora, e ofereceu um copo de suco com sedativos para a esposa. Kumar tentou então fazer com que a cobra picasse a vítima, mas ela acabou não fazendo o esperado. 

Com isso, o criminoso se viu obrigado a pegar a cobra pela cabeça e cravar, ele mesmo, os dentes dela no braço esquerdo de Uthra. Ele tentou fazer com que tudo parecesse um acidente, mas as circunstâncias apontavam que o ataque de cobra teria sido um plano, e não uma coincidência infeliz.

Após a família prestar queixa, diversos fatos foram avaliados pelos investigadores, como o horário pouco usual em que Uthra dormia, o fato da cobra ter entrado na casa sozinha e a largura das presas da naja.

Suraj Kumar foi julgado e considerado culpado pelo assassinato de Uthra, tendo sido condenado à pena de prisão perpétua pelo crime, que o juiz que cuidava do caso chamou de “diabólico e medonho”.