Notícias » Arqueologia

Misteriosas estatuetas de madeira são encontradas em tumba no Tibete

Pesquisadora acredita que as descobertas podem ajudar a entender os intercâmbios culturais que aconteceram na região no passado

Isabela Barreiros Publicado em 28/12/2020, às 13h48

Estatuetas descobertas na tumba
Estatuetas descobertas na tumba - Divulgação - Xinhua

Em 2017, pesquisadores descobriram cemitérios antigos no condado de Zanda, na Região Autônoma do Tibete. Com os anos, inúmeros artefatos foram encontrados no local, mas agora, uma tumba em específico revelou objetos impressionantes.

No túmulo de Sangmda Lungga, arqueólogos descobriram estatuetas de madeira, ornamentos faciais feitos tanto de ouro quanto de prata e outros itens importantes para que se possa entender melhor os intercâmbios culturais da região.

Crédito: Divulgação - Xinhua 

 

"A partir de cerca de 300 a.C., os seres humanos começaram a se reunir nesta área e, nos anos seguintes, provavelmente experimentaram um grande desenvolvimento social, onde as culturas de Xinjiang, norte do Nepal, norte da Índia, Lhasa e Shannan e áreas do interior se integraram", explicou He Wei, pesquisadora envolvida no projeto.

“A partir de 600 d.C., a área do túmulo não era mais usada e as atividades humanas chegaram ao fim”, afirmou. Portanto, é possível dizer que a análise dos objetos poderá ajudar nas pesquisas sobre esse período histórico distante. 

Sobre arqueologia

Descobertas arqueológicas milenares sempre impressionam, pois, além de revelar objetos inestimáveis, elas também, de certa forma, nos ensinam sobre como tal sociedade estudada se desenvolveu e se consolidou ao longo da história. 

Sem dúvida nenhuma, uma das que mais chamam a atenção ainda hoje é a dos egípcios antigos. Permeados por crendices em supostas maldições e pela completa admiração em grandes figuras como Cleópatra e Tutancâmon, o Egito gera curiosidade por ser berço de uma das civilizações que foram uma das bases da história humana e, principalmente, pelos diversos achados de pesquisadores e arqueólogos nas últimas décadas.