Busca
Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaYoutube Aventuras na HistóriaTiktok Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Arqueologia

Qual a descoberta arqueológica mais impressionante de 2023?

Segundo avaliado pelo National Geographic, o achado mais animador feito por arqueólogos nos últimos doze meses ocorreu na região da Judeia; entenda!

Ingredi Brunato Publicado em 13/12/2023, às 16h45

WhatsAppFacebookTwitterFlipboardGmail
Fotografia de espada descoberta neste ano - Divulgação/ IAA
Fotografia de espada descoberta neste ano - Divulgação/ IAA

O ano está acabando, e, como é típico do mês de dezembro, várias retrospectivas vem sendo feitas. No campo da arqueologia não é diferente, com o portal National Geographic tendo publicado recentemente o que eles consideraram como a descoberta arqueológica mais animadora de 2023

O achado ocorreu na região da Judeia, localizada na parte sul do atual território de Israel, se dando no último mês de junho. Trata-se de quatro espadas de 1.900 anos, fabricadas durante o Império Romano. 

As armas foram encontradas escondidas em uma fenda em meio às rochas do interior de uma caverna no Parque Nacional Ein Gedi, uma reserva natural israelense famosa pelas suas grutas e nascentes. 

Revolta antiga  

As espadas chamaram atenção dos especialistas por conta de seu excelente estado de preservação: aparentemente, ninguém tocou nelas desde que foram escondidas ali na caverna. 

Segundo repercutido pelo Times of Israel, elas provavelmente pertenceram a rebeldes que participaram da lendária revolta de Bar Kochba, ocorrida entre os anos 132 d.C. e 135 d.C., em que judeus se rebelaram contra a antiga Roma sob a liderança do messias guerreiroBar Kochba. O episódio histórico, no entanto, terminou com a vitória do Império Romano, então governado por Vespasiano

A descoberta histórica, portanto, tinha o potencial de ajudar os pesquisadores a entenderem melhor o período. “A literatura romana não nos conta a história completa. Cabe à arqueologia preencher o quadro”, afirmou Dr. Eitan Klein, um dos arqueólogos envolvidos na análise dos artefatos, em entrevista ao veículo. 

Receba o melhor do nosso conteúdo em seu e-mail

Cadastre-se, é grátis!