Notícias » DNA

Sangue de potro de 42 mil anos foi extraído para clonagem

Cientistas seguem na empreitada de clonar um potro congelado encontrado na Sibéria

Joseane Pereira Publicado em 22/04/2019, às 10h46

None
Reprodução

Um feito singular está em andamento no mundo científico: a clonagem de um potro de 42 mil anos, encontrado na cratera siberiana conhecida como "boca do inferno".

A equipe universitária de Yakutsk, na Sibéria, em conjunto com cientistas da Fundação Sul-Coreana de Pesquisa em Biotecnologia, já conseguiu extrair o sangue de artérias do coração do potro, no segundo mês de um assíduo trabalho que pretende reviver essa espécie há muito extinta.

Segundo Semyon Grigoryev, chefe do Museu Mamute em Yakutsk, "a autópsia mostra órgãos internos maravilhosamente preservados. Amostras de sangue foram retiradas de vasos do coração, mantidas em estado líquido por 42.000 anos graças a condições de preservação favoráveis. Os tecidos musculares mantêm sua cor avermelhada natural, e agora podemos dizer que este é o animal da Idade do Gelo mais bem preservado já encontrado no mundo."

Sangue líquido retirado do potro. Crédito: Reprodução

Para o Dr. Gregoriev, o potro não apresenta danos visíveis, o que é excepcional em achados paleontológicos. O animal teria sido congelado ainda nas primeiras semanas de vida: "Nossos estudos mostraram que, no momento da morte, o potro tinha uma semana ou duas de vida. Como em casos anteriores de vestígios pré-históricos preservados, a causa da morte é baseada no afundamento do potro na lama, que se congelou posteriormente. Durante os últimos segundos de sua vida o filhote teria engolido muita lama e lodo, encontrados dentro de seu trato gastrointestinal".

Confiança na clonagem de espécies extintas

Os cientistas afirmam ter confiança no sucesso em extrair células do potro para clonar a extinta raça Lenskaya -- desaparecida há 4 mil anos, como publicado no "The Siberian Times". Nesse mês, os pesquisadores também estão escolhendo uma mãe para dar à luz a espécie que retorna -- tentativa que pode ser o caminho para a clonagem do famoso  e gigantesco Mamute Lanoso, e os cientistas estão trabalhando em ambos os projetos. Michil Yakovlev, editor da mídia corporativa da universidade, afirmou: "Espero que o mundo encontre em breve o clone do potro antigo que viveu 42 mil anos atrás".

Empenho na clonagem da espécie / Créditos: Reprodução

O cadáver do potro ainda fará parte da exposição Mammoth no Japão, que começará em junho deste ano e terminará em setembro de 2020. "Pela primeira vez, mostraremos o único tronco congelado de mamute lanoso do mundo, bem como o cadáver do búfalo Yukagir, uma antiga perdiz e o cavalo Batagai", afirma o pesquisador Semyon Grigoryev.