Facebook Aventuras na HistóriaTwitter Aventuras na HistóriaInstagram Aventuras na HistóriaSpotify Aventuras na História
Notícias / Tom Morello

Tom Morello inscreve frase de Lenin em pedal e é criticado por ‘hipocrisia’

Músico do Rage Against the Machine usa equipamento com citação do líder comunista que custou cerca de R$ 700

Redação Publicado em 20/07/2022, às 14h35

Pedal com frase de Lenin e Tom Morello, do Rage Against the Machine - Divulgação/Twitter/@philthatremains / Getty Images
Pedal com frase de Lenin e Tom Morello, do Rage Against the Machine - Divulgação/Twitter/@philthatremains / Getty Images

Tom Morello, do Rage Against the Machine, foi acusado de “hipocrisia” pelo vocalista da banda de metalcore All That Remains, Phil Labonte, após ter inscrito uma citação do líder comunista Vladimir Lenin no seu pedal Jim Dunlop Cry Baby Wah.

No equipamento, usado pelo guitarrista desde o começo de sua carreira, é possível ler: “Às vezes, a história precisa de um empurrão”. Outra frase inscrita no pedal é “Você não precisa de uma arma quando você já nasceu uma”.

Segundo o portal Tenho Mais Discos Que Amigos!, o modelo é vendido pela Dunlop como linha signature por US$129.99, o equivalente a cerca de R$700, e o equipamento de Morello foi personalizado para ele.

A marca explicou em seu site que o acabamento é “personalizado com citações escolhidas pelo próprio Tom para destacar a batalha pela justiça à qual ele dedicou seu ofício e carreira”.

Críticas ao pedal

Na segunda-feira, 18, Labonte veio ao seu perfil no Twitter para criticar a decisão de Morello em inscrever uma frase do comunista em seu pedal, falando sobre a exploração do trabalho que provavelmente fabricou o equipamento.

“Quero saber quanto dinheiro Morello ganha com a expropriação capitalista de trabalhadores em países do 3º mundo que fabricam este pedal”, escreveu o vocalista.

Além de acusar o músico de hipocrisia, por dizer que Morello estaria se contradizendo ao defender o comunismo enquanto usa o pedal, Labonte escreveu que “os comunistas são ontologicamente maus”, relembrando o assassinato da família Romanov há 104 anos.

Para o guitarrista, “a morte dessa família foi um dos empurrões”, em referência à frase de Lenin inscrita no pedal.