Matérias » Brasil

Neste dia, há exatos 50 anos, Pelé marcava seu milésimo gol

De pênalti, o Rei do Futebol fez o Maracanã vibrar após a inesquecível e histórica conquista

Isabela Barreiros Publicado em 18/11/2019, às 00h00

Pelé comemorando seu milésimo gol no Maracanã em 1969
Pelé comemorando seu milésimo gol no Maracanã em 1969 - Getty Images

Era quarta-feira, dia 19 de novembro de 1969. O Maracanã, mesmo em uma noite chuvosa, estava cheio: eram 65.157 pessoas no icônico estádio da cidade carioca. Nos gramados, um jogo morno, que esperava, ansiosamente, apenas por um fato: o milésimo gol de Pelé, o Rei do Futebol.

O gol de número 1.000 foi marcado às 23h23 de uma partida entre Vasco X Santos pelo Torneio Roberto Gomes Pedrosa, o Brasileirão do período. "A bola branca atravessou a linha de gol aos 34 minutos, 12 segundos e 9 décimos, para estabelecer uma ponte entre a realidade e a fantasia: o milésimo gol de Pelé", disse o jornal O Estado, no dia seguinte.

Crédito: Getty Images

 

O enorme público teve que esperar até mais da metade do primeiro tempo para conseguir comemorar o feito. Aos 34 do segundo tempo, o zagueiro Renê, do Vasco, derrubou Pelé dentro da grande área após o atacante correr para receber um passe em profundidade de Clodoaldo. O árbitro marca pênalti — e o santista se prepara para bater a cobrança.

“A minha preocupação, que é uma coisa que ninguém pode estar passando que eu passei, é que todo mundo acha que pênalti é fácil de bater. Mas, quando eu coloquei a bola na marca do pênalti, todo mundo começou a gritar 'Pelé', Pelé', e eu comecei a tremer, a ficar nervoso e a pensar: 'não posso errar, não posso errar”, confessou o Rei em entrevista à Agência Efe.

Ele cobrou no canto com o pé direito e, caprichosamente, marcou seu milésimo gol. O goleiro do Vasco na época, Edgardo Andrada, tentou defender, mas ainda ficou conhecido como "Arqueiro Mil" após a bola branca passar por ele e garantir a vitória do Santos por 2 a 1.

Crédito: Getty Images

 

Depois disso, a alegria tomou o Maracanã. Repórteres e fotógrafos invadiram os gramados e Pelé ainda diria “pensem no Natal. Pensem nas criancinhas”. Ele correu atrás da bola e a segurou como seu prêmio de mil gols. O jogo ainda não tinha chegado ao fim, mas todos pareciam mais que satisfeitos com o resultado — era possível sentir todo o estádio aplaudindo de pé o grande feito do Rei do Futebol, mesmo com a derrota do Vasco em terras cariocas.

Ele vestiu a camisa com número 1.000 e deu uma volta olímpica pelo Maracanã. Relembrou novamente a caridade, “ajudemos às crianças desafortunadas, que precisam do pouco de quem tem muito”, disse nos vestiários.


Saiba mais sobre o Rei do Futebol, Pelé, por meio dos livros a seguir:

Pelé: A Importância do Futebol, Edson Arantes do Nascimento (2014) - https://amzn.to/33ZeNAF

Pelé: His Life and Times, Harry Harris (2018) - https://amzn.to/2KBCOX8

Campeões da Raça: Os Heróis Negros da Copa de 1958, Fábio Mendes - https://amzn.to/2CVlZCk

Jeremias: Pelé, Rafael Calça (2018) - https://amzn.to/2NX4bgk

Pelé - Minha Vida Em Imagens, Edson Arantes do Nascimento (2010) - https://amzn.to/2CRv3YR

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, assinantes Amazon Prime recebem os produtos com mais rapidez e frete grátis, e a revista Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.