Matérias » Nigéria

60 horas debaixo d'água: o pesadelo — e a superação — de Harrison Okene

Encurralado no fundo do Oceano Atlântico, o nigeriano passou por grandes horrores a 30 metros de profundidade

Vanessa Centamori Publicado em 21/06/2020, às 08h00

Harrison Okene, no momento do resgate
Harrison Okene, no momento do resgate - Divulgação/ Youtube

Na manhã do dia 26 de maio de 2013, um navio rebocador Jascon-4 levava 12 homens a uma plataforma de petróleo próxima à cidade de Warri, na Nigéria. Um dos tripulantes era Harrison Okene, um nigeriano de 29 anos que trabalhava como cozinheiro. Quando o relógio marcou por volta das 4h50 da manhã, o mar se revoltou contra a embarcação. 

Naquele momento, Harrison estava no banheiro, quando notou que o rebocador do navio estava começando a virar. Foi aí que o desespero começou — água jorrava para dentro. Ele tentou então forçar a porta de metal para sair. Mas, não adiantou: o nigeriano estava preso dentro da cabine do toalete. 

Enquanto estava encurralado, ele viu três rapazes da tripulação sendo levados brutalmente pela água. Naquele momento, o navegante sabia que seus companheiros estavam mortos. Imaginou então que seu fim também estava próximo, já que, provavelmente, a sala logo se encheria, impedindo que ele respirasse. 

O que Harrison não sabia era que isso jamais aconteceria. Uma bolha de ar milagrosa se formou e ele iria passar um angustiante período de dois dias e meio preso no fundo do mar. De companhia, apenas a solidão e a escuridão do banheiro, a 30 metros de profundidade. 

Navio rebocador como o que Harrison Okene estava /Crédito: Divulgação/Youtube 

 

Luta pela vida 

Após suas roupas ficarem encharcadas, Harrison Okene ficou apenas de cueca na cabine. A água entrou só em parte do cômodo, permitindo que ele pudesse ter ar para respirar. Ainda assim, o cozinheiro segurou uma bacia para manter a cabeça fora da água. 

Conforme o tempo foi passando, parte da pele do nigeriano começou a descascar, devido à constante exposição àquele ambiente úmido. "Eu estava com muita fome, mas, principalmente, com muita sede. A água salgada tirou a pele da minha boca", contou o sobrevivente, à Agência Reuters.

Além disso, conforme o próprio Harrison descreveu, estava "muito, muito frio" e escuro. Não era possível enxergar nada. Porém, naquele breu, de alguma forma, ele ganhou uma coragem luminosa. Conseguiu espancar uma porta e a abriu, entrando no quarto de um oficial. 

Começou então a arrancar os painéis da parede do quarto para usar como uma pequena balsa e ficar fora da água gelada. A experiência, no entanto, também lhe serviu para aumentar o pânico. Ele pôde perceber os cadáveres de seus colegas de tripulação nas proximidades. 

Harrison Okene / Crédito: Divulgação/Youtube 

 

O nigeriano sentiu a podridão dos corpos. Notou, com horror, que os peixes começavam a se alimentar deles. Dava até para ouvir o som dos mortos sendo devorados, conforme ele relatou.

Naquela situação, o náufrago só orava. "Tudo ao meu redor era apenas preto e barulhento. Eu estava chorando e chamando Jesus para me resgatar, eu rezei tanto", contou. O estômago também apertava. Não parecia haver mais esperança. 

Um barulho estranho 

Harrison Okene não tinha como saber, mas já era a tarde do dia 28 de maio. Soou um som de martelo, diferente de tudo que ele ouvira em seu cárcere subaquático. O sobrevivente não pensou duas vezes: retribuiu o ruído. Puxou um filtro de água e bateu no interior da embarcação repetidamente. Torcia para que alguém o ouvisse.  

Justo naquele exato momento, uma equipe de mergulhadores sul-africanos vasculhava as águas, recolhendo os corpos. Os profissionais ficaram chocados ao ouvirem que o ruído, enviado por eles, teve resposta. Podia haver ainda alguém vivo?

Realmente podia. O nigeriano viu a luz de uma lanterna, presa à cabeça de alguém que nadava em sua direção. Harrison começou a acenar. O resgatante ficou chocado ao vê-lo com vida.

 A equipe de mergulho se apressou e colocou roupa especial, capacete e máscara de oxigênio na vítima. Para ser retirado, o cozinheiro foi arrastado ao longo de uma estreita passagem que ficava entre o banheiro e o quarto. Finalmente, ele colocou seus pés em terra firme. 

Após o incidente, Harrison passou por um tratamento para se recuperar do trauma. No mesmo ano do resgate, ele contou que tinha ainda alguns medos, como noticiou o G1. "Quando estou em casa, às vezes parece que a cama em que eu estou dormindo está afundando. Acho que ainda estou no mar novamente", desabafou. 

Durante a tragédia, o sobrevivente jurava que morreria, mas no fim pôde descrever a experiência como um fenômeno divino. "Eu não sei o que impediu a água de encher o cômodo. Eu só fiquei chamando por Deus. Ele me protegeu. Foi um milagre", completou. 


+Saiba mais sobre naufrágios por meio de grandes obras disponíveis na Amazon:

Naufrágios, de Akira Yoshimura (2003) - https://amzn.to/2VNBpkZ

O Naufrágio do Goilden Mary, de Charles Dickens (2016) - https://amzn.to/2XXFXry

Livro dos Naufrágios: Ensaio Sobre a História Trágico-Marítima, de Angélica Madeira (2005) - https://amzn.to/2VuOTTR

Três destinos, de Nora Roberts (2019) - https://amzn.to/2XTfECZ

Todo naufrágio é também um lugar de chegada, de Marco Severo (2019) - https://amzn.to/2KmQMvv

Vale lembrar que os preços e a quantidade disponível dos produtos condizem com os da data da publicação deste post. Além disso, a Aventuras na História pode ganhar uma parcela das vendas ou outro tipo de compensação pelos links nesta página.

Aproveite Frete GRÁTIS, rápido e ilimitado com Amazon Prime: https://amzn.to/2w5nJJp 

Amazon Music Unlimited – Experimente 30 dias grátis: https://amzn.to/2yiDA7W